Cassilândia, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

16/02/2011 08:21

Artigo: A criminosa receptação

Dirceu Cardoso Gonçalves – tenente-PM*

Toda vez que um assaltante ou bando rouba um carro, uma carga, uma joalheria ou qualquer outro bem de pequeno ou grande valor, a ação é fruto da ordem sanguinária de um receptador. Ele encomenda a mercadoria, os puxadores a subtraem e entregam, recebendo quantias irrisórias em relação ao seu valor de mercado. Ate aí já foram cometidos pelo menos dois crime: o roubo ou latrocínio (quando os assaltantes matam para roubar), e a própria receptação, operada pela “empresa criminosa”. Mas, a partir desse ponto, uma série de outros delitos ocorre como conseqüência, tais como desmanche ilegal, outras vendas e receptações da mercadoria roubada, sonegação fiscal e trabalhista, etc.

A simples constatação desse quadro perverso, a que toda a população está sujeita, nos remete ao raciocínio de que o receptador é o verdadeiro câncer da sociedade, um grande mal a ser combatido com toda força e determinação. Sem o seu concurso, a maioria dos furtos e roubos não ocorreria porque os ladrões não teriam, por falta de compradores, como lucrar com as mercadorias subtraídas e, de quebra, ainda ficariam sujeitos à prisão se com elas fossem encontrados. O combate ao roubo é hoje uma guerra que não só as polícias, mas toda a sociedade tem o interesse e até o dever de promover. Como em toda guerra, uma das estratégias é cortar a linha de suprimento ou abastecimento dos combatentes.

O receptador - muitos deles encastelados em seus escritórios e mansões com ar-condicionado e alta mordomia - é o grande inimigo a ser combatido e, na medida do possível, eliminado. Pelo potencial de destruição, prejuízo e desagregação social que provoca, sua atividade, inegavelmente, pode ser considerada crime hediondo e, como tal, merece todos os rigores da lei e o interesse especial de legisladores e autoridades na sua aniquilação.

Para o bem e a libertação da sociedade - que hoje nem pode usufruir dos seus bens por causa do risco dos ladrões - nenhum receptador, mesmo os não presos em flagrante, por conta de sua periculosidade, não deveria ter o direito de responder em liberdade. Toda vez que forem encontrados na rota de mercadorias roubadas ou de outro tipo de origem ilícita, devem permanecer trancafiados até o julgamento. Da mesma forma, não devem receber os favorecimentos carcerários que encurtam a pena original.

O Brasil é muito brando e permissivo ao cobrar seus criminosos pelos agravos que causam à sociedade. Deveria fazê-lo apenas com aqueles que têm possibilidades de recuperação. Não é o caso do receptador, que age de forma premeditada, abusa do poder econômico ilegalmente amealhado e, com suas garras, movimenta vários segmentos do crime, causando prejuízos materiais, vítimas, insegurança e sofrimento à população.

Governantes, parlamentares, juristas e membros do Judiciário e da estrutura policial farão um grande bem ao Brasil ao promoverem a verdadeira caça ao receptador. Sem essa praga social, poderemos todos, finalmente, viver em paz...



Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves – dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo)

aspomilpm@terra.com.br



Dados do Autor:

Dirceu Cardoso Gonçalves – tenente-PM*

RG nº 5301.573-SP

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
10:00
Receita do dia
Domingo, 10 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)