Cassilândia, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

09/12/2005 09:48

Arroba despenca 13% e custos subiram 6%

Fernanda Mathias/Campo Grande News

Ao passo em que a arroba do boi gordo desvalorizou 13,14% em Mato Grosso do Sul de janeiro a outubro deste ano, os custos totais dos pecuaristas tiveram aumento de 6,09% acirrando o descompasso entre a renda e os gastos. Com focos de febre aftosa constatados em outubro no Conesul, o Estado sofreu o maior baque na arroba dentre os nove estados pesquisados pela CNA (Confederação Nacional de Agricultura) e a USP (Universidade de São Paulo).

Os pesquisadores observam que o prrodutor rural está pagando caro pela aftosa. Antes do anúncio do foco, o mercado futuro negociava a arroba de boi a R$ 63,90, para novembro, e a R$ 63,50, para dezembro – nos dias 6 e 7 de outubro, a BM&F atuou no seu limite de alta. No final de novembro, o mercado em São Paulo operou em torno de R$ 54,00, com grande volatilidade de preços.

“O evento da febre aftosa gerou uma diferenciação de mercado. O boi de Goiás, por exemplo, e o de São Paulo deixaram ser o mesmo produto, pois o boi goiano pode virar um bife no prato do alemão e o boi paulista não. No primeiro momento, o boi sul-mato-grossense somente podia virar bife no próprio Estado, o que modificou a primeira regra da lógica econômica, que previa a diferença de preços entre o boi goiano e o paulista com base nos custos de
transferência até o consumidor”, aponta a pesquisa.

Com a confirmação dos focos, o distanciamento de preços em relação a outros centros produtores de 10 pontos percentuais. A diferença de Campo Grande com a média São Paulo passou para 12,08% em novembro deste ano, sendo que, em outubro de 2004, era de 1,85%; em Dourados e Três Lagoas, o efeito ficou em torno de 7%.

Quanto aos Custos Operacionais Efetivos e Totais (COE e COT), o único Estado onde houve recuos de setembro para outubro foi o Paraná – os custos efetivos caíram 1,18% e os totais 0,57%.Os principais fatores que pressionaram os custos foram a mão-de-obra, que representa 22,87% dos custos e teve alta de 15,37% e o diesel, com peso de 6,16% e aumento de 7,75% de janeiro a outubro. As sementes forrageiras registraram o maior aumento entre os insumos - 19,2% - mas representam apenas 1,64% dos custos totais. Na média dos nove Estados, o insumo que mais contribuiu para amenizar os custos do pecuarista de engorda, em outubro, foi o bezerro, que ficou quase 1% mais barato.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)