Cassilândia, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

05/11/2004 13:21

Argentina quer mudar regras do Mercosul

Benedito Mendonça / ABr

O governo argentino, refletindo pressão do setor empresarial, fez algumas propostas ao Brasil no sentido de mudar regras do Mercosul, de modo a proteger a indústria do país. A informação foi dada hoje pelo diretor do Conselho Superior de Relações Exteriores da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), Rubens Barbosa, em entrevista à Rádio Nacional AM. Ele está na Argentina, onde participa de uma reunião com empresários para discutir questões comerciais e o impacto da reeleição do presidente George W. Bush na América Latina.

Segundo Barbosa, o setor industrial daquele país sente-se pressionado não só por mudanças estruturais, como a desvalorização da moeda, mas também por desajustes setoriais que incluem o grande e rápido aumento das importações de outros países, especialmente do Brasil.

"Eles também estão querendo algum tipo de código de conduta das multinacionais por causa da disputa entre os países para abertura de novas empresas, investimentos novos e o comportamento das filiais nos países", destacou o embaixador. Para ele, essa posição "é um problema delicado, porque se choca com as regras do Mercosul". Barbosa disse que, em alguns setores, isso está afetando as exportações brasileiras, sobretudo da chamada linha branca (geladeiras, fogões e máquinas de lavar roupa), e de televisores.

Sobre as exportações brasileiras, o embaixador adiantou que, em função das cotas fixadas em alguns setores, o volume se manteve estável. "Nós continuamos a exportar dentro do que foi previsto e não estamos é aumentando as nossas exportações", disse.

Para Barbosa, em outros setores, o fato de o Brasil ter deixado de exportar para a Argentina não significou que as empresas argentinas supriram essa falta no mercado interno. "As empresas argentinas não estão bem equipadas ou com competitividade", argumentou o embaixador. Segundo ele, "houve um desvio de comércio em alguma parte dessa não-exportação brasileira e que foi substituída por importações do Chile e do México".

No entendimento de Barbosa, a posição brasileira é muito clara e isso é "inaceitável". "Nós não podemos aceitar dentro do Mercosul que haja restrições para nossas exportações e que a parte que não foi exportada seja importada de outros países não membros do Mercosul", afirmou.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 07 de Dezembro de 2016
20:20
Loteria
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
03:14
Loteria
Terça, 06 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
09:00
Maternidade
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)