Cassilândia, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

06/02/2015 14:20

Argentina barra exportação brasileira

Midiamax

O Brasil fechou o mês de janeiro com mais de 1,2 mil Declarações de Importação Antecipadas (DJAIs) pendentes de aprovação com o governo argentino. O bloqueio já está atingindo praticamente todas as exportações brasileiras ao país vizinho. De áreas já tradicionalmente problemáticas, como automóveis, autopeças, eletrônicos e têxteis, a setores que não costumava ser afetados, como alimentos e bebidas, incluindo carne suína. Outras áreas afetadas são cerâmicas, setor químico, metalurgia e celulose.

Com dificuldade de obter divisas, a Argentina vem usando as Declarações de Importação Antecipadas para controlar a saída de dólares há vários meses. Além disso, voltou a segurar a liberação da moeda para que os importadores paguem os produtos comprados no Brasil, atrasando os pagamentos. E adicionou uma outra modalidade de controle: tem dificultado a passagem de mercadorias pela hidrovia Paraná-Paraguai, não permitindo que os comboios atinjam o tamanho máximo permitido.

Apesar de considerar "administráveis" esses problemas com os argentinos, o governo brasileiro reconhece que, em algum momento, precisa melhorar a balança comercial. Avalia-se, porém, que o principal mercado está em crise, é preciso fazer alguma coisa.

Negociações

A Argentina será o foco de viagem do novo ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira. Ex-embaixador em Buenos Aires, Vieira é considerado um amigo pelo governo de Cristina Kirchner. Na próxima terça-feira, 10, a pedido da presidente Dilma Rousseff, desembarca lá para reforçar a importância dos vizinhos sul-americanos. A missão principal, porém, é tentar, de novo, melhorar a situação dos exportadores brasileiros.

A tarefa é difícil. Com problemas em obter divisas, o governo argentino usa as DJAIs e a liberação de crédito para controlar a saída de dólares. As autorizações, que deveriam ser automáticas para a maior parte dos produtos do Mercosul, chegam a levar mais de três meses para serem concedidas. Além disso, qualquer pagamento acima de US$ 150 mil precisa ser aprovado pelo Banco Central, o que também é controlado. Maior parceiro comercial do país, o Brasil é diretamente atingido pelas medidas.

Saldo comercial

As exportações brasileiras para a Argentina vem caindo desde o segundo semestre do ano passado. A partir de setembro, o saldo comercial passou a ser negativo para o Brasil, chegando a US$ 183,2 milhões em dezembro, o pior mês. Em janeiro, o País voltou a ter um superávit, de US$ 69,2 milhões. No entanto, o volume de exportações caiu quase 30% na comparação com o mesmo mês do ano passado.

Concorrência chinesa

Fontes ouvidas pelo jornal O Estado confirmam que a situação é difícil de reverter, uma vez que o Brasil não tem como aumentar o financiamento aos seus exportadores e a Argentina continua em crise. Mais do que isso, pode ainda piorar depois dos acordos assinados esta semana entre Cristina Kirchner e o governo chinês, que prevê investimentos em infraestrutura com facilitação de importações de maquinário e insumos - vários deles produzidos também pelo Brasil - além de linhas de crédito para importação e um acordo de swap de yuans para reforçar as reservas argentinas.

Apesar dos riscos, o acordo China-Argentina não tem sido discutido dentro do governo brasileiro. Até agora, o discurso adotado é de que não há o que fazer. Mas se reconhece que o espaço no mercado vizinho pode ser ainda mais reduzido. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 18 de Dezembro de 2017
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)