Cassilândia, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

12/09/2015 08:03

Arcanjo é condenado a mais 44 anos de prisão

TJMT
O juri foi presidido pela juíza Monica Catarina Perri Siqueira. Foto - TJMTO juri foi presidido pela juíza Monica Catarina Perri Siqueira. Foto - TJMT

João Arcanjo Ribeiro foi condenado a 44 anos e 2 meses de prisão na tarde de hoje (11 de setembro), pelo Tribunal do Júri de Cuiabá. A sessão foi presidida pela juíza da 1ª Vara Criminal da Capital, Mônica Catarina Perri de Siqueira. O réu foi condenado pelo homicídio qualificado de Rivelino Jaques Brunini e Fauze Rachid Jaudy Filho, pela tentativa de homicídio de Gisleno Fernandes e pelos crimes de formação de quadrilha e falso testemunho. Veja AQUI a sentença completa.

De acordo com a denúncia, os crimes ocorreram na tarde do dia 2 de junho de 2002, em frente a uma oficina mecânica na Av. Historiador Rubens de Mendonça. A mando de João Arcanjo Ribeiro, um homem teria se aproximado de Rivelino e disparado tiros de arma de fogo 9mm contra ele, atingindo também Fauze e Gisleno. Rivelino foi atingido por sete disparos e morreu na hora. As outras vítimas foram atingidas com uma bala cada.

Durante o julgamento, o promotor Vinícius Gahyva defendeu a tese de que o réu era chefe do crime organizado em Mato Grosso e responsável pelos assassinatos em questão e pela exploração de máquinas caça-níqueis no Estado. No debate, afirmou que a defesa pretendia canonizar Arcanjo e promovê-lo a santo. “Uma ação de marketing para desfigurar a imagem que ele próprio construiu”, considerou o representante do Ministério Público.

Em contrapartida, o advogado de defesa Paulo Fabrinny disse que não tinha a intenção de beatificar o réu. Para ele, foi construído um mito em cima da imagem de Arcanjo. Durante a explanação, o advogado afirmou que Rivelino foi morto pelos chefes do esquema de caça-níqueis no Rio de Janeiro, por tentar ‘passar a perna’ neles. “Por que ele teria motivos para matar Rivelino? Não existe motivo, não há nada concreto nos autos”, garantiu.

O réu foi condenado pelos homicídios por quatro votos a três. De acordo com Paulo Fabrinny, a defesa vai recorrer da sentença. A condenação é em regime fechado sem possibilidade de apelo em liberdade. O julgamento de Arcanjo teve início na manhã de ontem (10 de setembro) e durou aproximadamente 21 horas. No primeiro dia, foram ouvidas seis testemunhas presenciais, lidos nove depoimentos, e interrogado o réu. Nesta sexta ocorreram os debates, réplica, tréplica, votação do conselho e definição da sentença.

Outros réus - Em julho deste ano, Célio Alves de Souza e Julio Bachs Mayada foram condenados, nesse mesmo processo (código 139220), a 46 anos e 10 meses e a 41 anos de reclusão em regime fechado, respectivamente. Arcanjo seria julgado na mesma data mas, como constituiu um novo advogado, solicitou o adiamento do júri.

Condenações – Este é o segundo julgamento popular de Arcanjo. Em 2013, ele foi condenado a 19 anos de prisão pela morte de Domingos Sávio Brandão. Além disso, cumpre pena de 25 anos por crimes contra o sistema financeiro. Atualmente ele está preso na Penitenciária Federal de segurança máxima de Porto Velho (RO).

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 10 de Dezembro de 2016
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)