Cassilândia, Segunda-feira, 26 de Outubro de 2020

Últimas Notícias

25/08/2020 05:40

Aquidauana tem nível de alerta máximo e se torna epicentro do coronavírus em MS

Situação da pandemia no município preocupa também em Sidrolândia

O Pantaneiro
Aquidauana tem nível de alerta máximo e se torna epicentro do coronavírus em MS

Junto com a cidade de Campo Grande, as microrregiões de saúde de Aquidauana e Sidrolândia se tornaram o epicentro do coronavírus em Mato Grosso do Sul. Além disso, Aquidauana está em nível de alerta máximo para a pandemia. Os dados são de um estudo feito por pesquisadores de universidades públicas sobre a Covid-19 em MS.

O relatório foi elaborado por pesquisadores da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados) e UFOB (Universidade Federal do Oeste da Bahia) e analisa os dados de Covid-19 em MS da 31ª à 33ª semana epidemiológica, ou seja, do dia 1º a 15 de agosto.

Aquidauana, assim como Campo Grande, está com nível de alerta máximo para o coronavírus. O nível de alerta subiu de 4,59 para 5,82 nas últimas semanas. Sidrolândia registrou aumento de 4,26 para 4,46; Nioaque apresentou avanço da doença e saiu do iMM (índice de morbimortalidade) 2,16 (alerta 3) para 4,44 aumentando para 4 o nível de alerta. Miranda subiu de 3,15 para 4,31 (nível de alerta 4). Ainda segundo o relatório, Sidrolândia, Nioaque e Miranda caminham de forma acelerada para o nível de alerta 5, se nada for feito para conter a doença.

“Chamamos atenção que na macrorregião de saúde de Campo Grande, além do município de Campo Grande, a microrregião de saúde de Aquidauana e Sidrolândia passaram a fazer parte do epicentro da pandemia no estado de Mato Grosso do Sul", reflete a pesquisadora e professora da UFMS, Ana Paula Archanjo Batarce.

Além desse crescimento, Anastácio saiu do nível de alerta 3 para o 4 (de 2,18 para 2,81 de iMM) e Dois Irmãos do Buriti registrou aumento do iMM de 2,16 para 3,45, avançando para o nível de alerta 4.

Em Aquidauana, das 37 mortes registradas, 18 são de indígenas nas aldeias, conforme dados do boletim epidemiológico municipal de domingo (23). Os pesquisadores afirmam que a situação da pandemia é ainda mais preocupante quando atinge populações vulneráveis, como os indígenas.

"Outro aspecto a ser considerado nos resultados encontrados é a quantidade de população indígena acometida pela doença e que vieram a óbito. Do total de casos confirmados até 15 de agosto (23.299 casos), 6,56% correspondem a indígenas (1.529 casos). Já em relação ao total de óbitos (370 óbitos), a mortalidade de indígenas representa 10,81% das mortes (40 óbitos)", denuncia a professora e pesquisadora da UFMS, Eva Teixeira dos Santos.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 26 de Outubro de 2020
Domingo, 25 de Outubro de 2020
Sábado, 24 de Outubro de 2020
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)