Cassilândia, Quarta-feira, 23 de Maio de 2018

Últimas Notícias

24/09/2016 06:45

Após quase dez anos, Lei de Drogas aumentou número de pessoas encarceradas

Agência Brasil

 

Criada em outubro de 2006, a Lei de Drogas aumentou o número de encarceramento por crimes relacionados às drogas. No ano da promulgação da lei, 15% das pessoas que eram presas respondiam por crimes relacionados a drogas. Em 2014, esse número alcançou 28%, segundo números do Departamento Penitenciário Nacional do Ministério da Justiça (Depen/MJ).

“Houve mais de 160% de aumento de 2006 a 2016 e os presos por tráfico, que antes eram em torno de 15%, hoje são 28%. Isso mostra o papel que a aplicação disfuncional da Lei de Drogas tem nesse processo de super-encarceramento”, disse Cristiano Maronna, advogado e vice-presidente do Instituto Brasileiro de Ciências Criminalísticas (IBCCrim) e secretário executivo da Plataforma Brasileira de Política de Drogas.

Em evento hoje (23) em São Paulo, na Associação dos Advogados de São Paulo, e que discutiu os dez anos da lei, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes reconheceu o aumento das prisões no país. "Caminhamos para chegar, daqui a pouco, a 650 mil presos, campeonato que não gostaríamos de ganhar, colocando-nos como uma sociedade altamente repressiva. E metade desse contingente é de presos provisórios", disse ele durante sua palestra no evento, momento em que alguns espectadores exibiram faixas com os dizeres “Fora Temer”.

"Nossa lei mais recente [a Lei 11.343] veio com algum propósito no sentido de mitigar pelo menos o tratamento jurídico que se dava ao usuário, caminhando em uma linha que levasse à despenalização, mas também fazer distinções entre o traficante, aquele que está associado a esse comércio, daquele que tem uma prática eventual, as vezes condicionada à necessidade. A lei vem com esse propósito, mas surpreendentemente, com a aplicação da lei tivemos um aumento significativo das prisões", disse o ministro.

Discriminalização

Mendes é o relator de um processo que está em discussão no STF e que trata sobre a descriminalização das drogas. Mendes defendeu em seu relatório a descriminalização do porte de drogas para consumo pessoal e foi acompanhado parcialmente pelos ministros Luis Roberto Barroso e Edson Fachin, mas o ministro Teori Zavascki pediu vista.

“O ministro Gilmar votou pela administrativização do Artigo 28 [da lei de drogas], com o Artigo 28 deixando de ser uma norma penal e passando a ser considerado uma norma administrativa, de forma que a droga para uso penal continue a ser ilegal, porém um ilícito administrativo”, explicou Maronna.

Em sua decisão, Gilmar estende a decisão para todas as drogas e Fachin e Barroso apenas para a maconha. “As dificuldades que eu vejo são que, ao descriminalizar mas manter como ilegalidade administrativa podemos ter efeito mínimo porque, continuando ilegal, as dificuldades que temos hoje poderão continuar a existir com os mais vulneráveis, que podem continuar a ser atingidos de forma desproporcional pela lei como traficantes. Além disso, só a maconha é, a meu ver, incompreensível, porque a lei fala em droga e não me parece possível tratar apenas da maconha quando outras drogas fazem parte desse debate”, disse Maronna.

Tráfico ou uso pessoal

Embora especialistas afirmem que a lei criou avanços e alterou, por exemplo, o tratamento a usuários de drogas, que antes eram presos por isso, eles consideram que muitos ainda são presos porque há dificuldades para diferenciar a droga para uso e a droga para tráfico.

“Essa lei, quando foi editada, foi aclamada como um avanço porque ela deixou de punir, com prisão, a conduta da posse para uso pessoal, que antes era punido com uma pena de seis meses a dois anos de prisão. Com essa lei, as penas passaram a ser advertência, prestação de serviços à comunidade e comparecimento a cursos educativos. Isso foi uma evolução, mas na prática, como a lei não diferencia usuários e traficantes, porque os critérios são muito subjetivos, muitos usuários passaram a ser enquadrados como traficantes e passaram a ser condenados”, disse Maronna. Isso, segundo ele, passou a ocorrer principalmente com a população mais pobre, negra e vulnerável.

Outro problema, segundo os debatedores, é que a pessoa que faz a prisão é o policial, que é também, no geral, a única pessoa a dar o testemunho sobre o que foi apreendido e a quantidade encontrada, o que dá muita subjetividade à apreensão da droga. “Outra questão que precisa ser resolvida é a apresentação desse preso ao juízo competente. O intérprete da cena, no geral, acaba sendo o policial. Ele é a figura-chave normalmente desse contexto e faz a própria decisão. O juiz só terá contato com o preso quando já houver a judicialização. Enquanto isso, ele está preso ainda que seja um usuário”, disse Mendes.

Para o professor de Criminologia da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP), Maurício Dieter, é possível atuar como na Alemanha, em que o policial vai até o carro, pega uma balança e pesa a droga. “Ele [policial] faz o vínculo da droga com o sujeito. A palavra do policial é fonte exclusiva do que diz 'essa droga é dele'. Segundo: é o policial a fonte exclusiva do conhecimento da relação psíquica do sujeito com a droga, por exemplo, 'essa droga é para venda'. Como eles podem construir essa narrativa? O que temos que trabalhar juntos, com aferição de critérios objetivos, é a exclusão do policial do ato de flagrante. O Código do Processo Penal diz que o ato de flagrante tem que se dar com a presença de duas testemunhas. Em que momento se diz que essas duas testemunhas tem que ser dois policiais? Isso é um grave erro”, disse.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 23 de Maio de 2018
Terça, 22 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Segunda, 21 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)