Cassilândia, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

03/06/2005 07:10

Após perder perna em acidente, boxeador volta ao ringue

César Rodrigues, do Jornal do Estado, de Coxim
divulgaçãodivulgação

A décima luta do 3º Desafio de Boxe Olímpico entre os Meios Médios (81 kg), travada entre Douglas Proença, de Coxim, e o campo-grandense Cleiton Alcântara, marcou o surgimento de um fenômeno de superação. A distância entre o acidente que ceifou a perna direita de Proença, em 2002, e o resgate de dignidade, diminuía a cada golpe aplicado no oponente. A eternidade de quatro rounds, marcado pela vitória em nocaute técnico, selou o ingresso de Proença no mundo dos esportes.

O público que estava no ginásio se surpreendeu quando Douglas Proença, paramentado, se dirigia ao ringue equilibrado numa perna mecânica. O final do combate separou a condição de portador de deficiência e o projetou nacionalmente. O presidente da Confederação de Boxe de Mato Grosso, Sebastian Borges, – há 20 no esporte – já oficializou convites para exibições de Douglas Silva fora do Estado. “Nunca assisti uma luta assim”, destacou o dirigente.

A Confederação Brasileira de Boxe também será informada sobre desempenho do atleta, que já projeta uma carreira internacional. O futuro do boxeador será tratado por seu treinador, o vice-presidente da Federação de Boxe de Mato Grosso do Sul, Edésio Ribeiro. Segundo ele, o próximo combate será em Pedro Juan Caballero, no Paraguai, contra o vice-campeão nacional dos Meios Médios, Sandro Almeida e o invicto Vande Lopes, de Campo Grande.

“Tenho que ganhar esta luta. Eu sei que posso”. A frase martelou a cabeça de Douglas Proença até o momento em que soou o gongo. Durante a luta outro contratempo: Havia o risco da prótese cair porque não estava adaptada à prática esportiva. A mobilidade também estava comprometida porque entrava ar na junção com o joelho, impedindo que ele fosse de encontro ao adversário.
A cada intervalo Douglas Proença era incentivado pelo técnico, Edésio Ribeiro, com palavras de apoio. A dramaticidade da luta era compartilhada com o público e os pais do boxeador, únicos que conheciam os sonhos do lutador. O público invadiu o ringue no final da luta – alguns chorando – e carregaram o novo campeão nos braços.

O encerramento do combate, a normalização da adrenalina e a volta para casa fez Douglas Proença voltar no tempo – em 20 de janeiro de 2002 – quando ele e sua moto foram esmagados por uma carreta na BR-163, em Sonora, a 360 quilômetros de Campo Grande. Ele sofreu fratura exposta nos dois braços, bacia e várias partes da perna direita. Mesmo após 15 cirurgias e uma infecção por osteomielite o jovem ficou quase dois anos numa interminável tentativa de recuperar o movimento da perna direita.

Cada procedimento médico era antecedido por anestesia geral para que vários membros fossem operados simultaneamente. Um ano depois, andando de muletas, e 30 quilos mais magro, Douglas já vislumbrava que usar uma prótese não deveria ser pior do que ter uma perna que trazia somente dor em sua vida.
Convencer o médico de sua decisão tornou-se a tarefa mais difícil do a amputação do membro. Na tentativa de demovê-la da idéia o especialista pedia novos exames. “Acordei feliz, foi a operação mais simples que fiz. Sabia que não iria mais sofrer”, lembra o boxeador. Colocar a prótese e ter atividades normais aconteceu rapidamente, salientou.
O gosto pelo boxe teve influência do pai – ex-lutador – e os embates lendários de Evander Hollyfield contra Mike Tyson. Proença concretizou o sonho de lutar e ainda de quebra superou limites que seus ídolos do boxe nunca enfrentaram.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
Quarta, 07 de Dezembro de 2016
20:20
Loteria
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
03:14
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)