Cassilândia, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

18/03/2006 10:07

Após decisão do STF, mais presos pedem progressão

Maristela Brunetto - Campo Grande News

Mesmo com a sinalização de uma série de juízes de Execução Penal no Estado de que não seguirão a progressão de regime para presos condenados por crimes classificados como hediondos, muitos passaram a ingressar com pedidos nas últimas semanas, depois que o STF reconheceu o direito de progredir no regime de cumprimento da pena a Oséas de Campos, condenado a 12 anos e três meses por molestar três crianças entre 6 e 8 anos de idade.

Só em Campo Grande, foram pelo menos 30 pedidos encaminhados nas recentemente à 1ª Vara de Execução Penal após a decisão do STF, que ocorreu no final de fevereiro em votação acirrada, com 6 votos a favor da progressão e cinco contrários.

Pela lei 8.072/90, condenados por crimes hediondos, como extorsão com morte, seqüestro, estupro, homicídio qualificado e latrocínio (roubo seguido de morte) não têm direito a anistia, indulto e devem cumprir a pena toda em regime fechado.

Cerca de mil detentos no Estado estariam neste universo. A decisão de juízes de não conceder a progressão mesmo com o que definiu o STF acirrou os ânimos nos presídios, como voltou a afirmar nesta sexta-feira o Sinsap (Sindicato dos Servidores da Administração Penitenciária). No caso do EPSM (Estabelecimento Penal de Segurança Máxima, oficiais de segurança chegaram a pedir a alteração de rotina temendo rebelião devido ao clima tenso.

O juiz da 1ª Vara de Execução Penal, Francisco Gerardo de Souza, revelou saber da tensão. “Mas não nos intimida”, diz. Ele explica que já recebeu pedido e negou progressão. Conforme o magistrado, há cerca de 50 presos que já conseguiram a progressão antes mesmo da decisão do pleno do STF. Ocorre que no STJ (Superior Tribunal de Justiça) uma das turmas já vinha concedendo. O que o STF fez foi “pacificar” o tema.

Permitida a progressão, os presos são encaminhados para a Colônia Agrícola, onde começam o cumprimento da pena em regime semi-aberto.

Os juízes em Campo Grande, Aquidauana, Três Lagoas, Ponta Porã, Paranaíba, Cassilândia, Jardim, Coxim, Corumbá, Fátima do Sul e Rio Brilhante informaram que não adotarão a progressão como regra. Já o juiz de Corumbá, Roberto Ferreira Filho, mostrou-se favorável à decisão do STF. Entre as exigências para a progressão estão o cumprimento de um sexto da pena e laudo criminológico favorável.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 10 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)