Cassilândia, Quarta-feira, 26 de Abril de 2017

Últimas Notícias

18/03/2006 10:07

Após decisão do STF, mais presos pedem progressão

Maristela Brunetto - Campo Grande News

Mesmo com a sinalização de uma série de juízes de Execução Penal no Estado de que não seguirão a progressão de regime para presos condenados por crimes classificados como hediondos, muitos passaram a ingressar com pedidos nas últimas semanas, depois que o STF reconheceu o direito de progredir no regime de cumprimento da pena a Oséas de Campos, condenado a 12 anos e três meses por molestar três crianças entre 6 e 8 anos de idade.

Só em Campo Grande, foram pelo menos 30 pedidos encaminhados nas recentemente à 1ª Vara de Execução Penal após a decisão do STF, que ocorreu no final de fevereiro em votação acirrada, com 6 votos a favor da progressão e cinco contrários.

Pela lei 8.072/90, condenados por crimes hediondos, como extorsão com morte, seqüestro, estupro, homicídio qualificado e latrocínio (roubo seguido de morte) não têm direito a anistia, indulto e devem cumprir a pena toda em regime fechado.

Cerca de mil detentos no Estado estariam neste universo. A decisão de juízes de não conceder a progressão mesmo com o que definiu o STF acirrou os ânimos nos presídios, como voltou a afirmar nesta sexta-feira o Sinsap (Sindicato dos Servidores da Administração Penitenciária). No caso do EPSM (Estabelecimento Penal de Segurança Máxima, oficiais de segurança chegaram a pedir a alteração de rotina temendo rebelião devido ao clima tenso.

O juiz da 1ª Vara de Execução Penal, Francisco Gerardo de Souza, revelou saber da tensão. “Mas não nos intimida”, diz. Ele explica que já recebeu pedido e negou progressão. Conforme o magistrado, há cerca de 50 presos que já conseguiram a progressão antes mesmo da decisão do pleno do STF. Ocorre que no STJ (Superior Tribunal de Justiça) uma das turmas já vinha concedendo. O que o STF fez foi “pacificar” o tema.

Permitida a progressão, os presos são encaminhados para a Colônia Agrícola, onde começam o cumprimento da pena em regime semi-aberto.

Os juízes em Campo Grande, Aquidauana, Três Lagoas, Ponta Porã, Paranaíba, Cassilândia, Jardim, Coxim, Corumbá, Fátima do Sul e Rio Brilhante informaram que não adotarão a progressão como regra. Já o juiz de Corumbá, Roberto Ferreira Filho, mostrou-se favorável à decisão do STF. Entre as exigências para a progressão estão o cumprimento de um sexto da pena e laudo criminológico favorável.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 26 de Abril de 2017
Terça, 25 de Abril de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)