Cassilândia, Domingo, 27 de Maio de 2018

Últimas Notícias

15/05/2006 19:34

Após 29 horas, presos encerram todas as rebeliões em MS

Marta Ferreira/Campo Grande News

Uma morte confirmada, pelo menos 5 feridos, dois presídios destruídos, 15 reféns que passaram horas sob ameaça, mais de 25 horas de tensão para mães, mulheres e filhos de presos, que tiveram de dormir nos presídios, e uma crise jamais vista para o sistema carcerário de Mato Grosso do Sul. É o saldo, nada positivo, das quatro rebeliões ocorridas nas penitenciárias das maiores cidades do Estado entre esse domingo e esta segunda-feira. Os motins foram encerrados na seguinte ordem: primeiro Corumbá, por volta das 8h30, depois Campo Grande e Três Lagoas, às 12h30, e por último Dourados, por volta das 17h.

As ações são consideradas pelas autoridades de segurança pública do Estado um ato de “solidariedade” de presos do Estado à facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital), que patrocina, desde sexta-feira, além de rebeliões nos presídios, uma onda de ataques à unidades da polícia, bancos e até ônibus. No Estado vizinho, o número de mortos já estaria perto da casa das cem pessoas.

Em Mato Grosso do Sul, as rebeliões simultâneas começaram durante a visita desse domingo aos presídios, às 11h30. Excepcionalmente, crianças puderam acompanhar as mães, em razão da data comemorativa. Acabaram dormindo nos locais e presenciando desde a tortura de reféns até a decapitação de um preso. O horror chegou a tanto que a cabeça do presos morto, Fernando Eloy, condenado por seis homicídios, chegou a ser exibida pelos amotinados, que se concentraram no ponto mais alto da unidade penal, a caixa d´água.

A Secretaria de Justiça e Segurança Pública, mesmo alertada ainda na sexta-feira do risco de que os ataques em São Paulo pudessem refletir no Estado, decidiu manter as visitas no domingo, inclusive com a presença das crianças. A alegação é de que qualquer decisão em contrário poderia tornar a situação ainda pior. A medida adotada, diante do alerta feito pela polícia de São Paulo e pelo sindicato dos agentes penitenciários, foi reforçar a segurança nos presídios e unidades de polícia, convocando até os policiais de folga para ajudar.

Prejuízos - Ainda não há um levantamento dos prejuízos deixados pelos presos. A avaliação vai ser feita depois da varredura que a PM está fazendo nos locais, com o objetivo de retirar objetos proibidos, como celulares, e desarmar o presos. Já é consenso que o maior estrago foi em Campo Grande e Dourados, onde a destruição promovida pelos presos alcançou até mesmo as áreas de administração.

Na penitenciária da Capital, cerca de cem presos foram transferidos para o Presídio Militar, vizinho ao complexo. Entre eles, vários que se entregaram à PM, alguns alegando estar fugindo da rebelião organizada por integrantes do crime organizado.

Em Dourados, o motim durou mais tempo e só terminou quando 10 presos foram transferidos para a sede da Polícia Federal. Em Três Lagoas, 40 detentos foram levados para a penitenciária que abriga as mulheres. Em Corumbá, a não transferência de presos foi uma das exigências para encerrar o movimento.

O secretário de Coordenação-Geral de Governo, Raufi Marques, que acumula também a Justiça e Segurança Pública, disse pela manhã que já haviam sido identificados líderes das ações no Estado, mas não citou nomes. Sobre uma eventual transferência dessas pessoas, a informação é que a decisão só vai ser tomada depois de uma avaliação mais cuidadosa de toda a situação.

(Com informações de Alessandro Perin, Aline Queiros, Alise Santos, Fernanda Mathias, Humberto Marques, Marina Miranda e Maristela Brunetto)

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 27 de Maio de 2018
Sábado, 26 de Maio de 2018
14:57
Cassilândia
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)