Cassilândia, Terça-feira, 22 de Maio de 2018

Últimas Notícias

15/06/2014 07:31

Após 2 casos, especialistas explicam o que pode levar uma mãe a matar filho

Campo Grande News

Nesta semana, dois casos no interior do Estado de mães que cometeram suicídio após matar os filhos causaram espanto e chamaram atenção das pessoas, que com certeza, se perguntaram: o que leva uma mãe a matar o filho? Especialistas na área da Psicologia e Psiquiatria dizem que casos como esses sempre existiram e, que a depressão e doenças psicóticas como a esquizofrenia, se não tratadas, podem levar a fins trágicos.

O primeiro caso aconteceu na madrugada da última terça-feira em Paranaíba. Luzia Marques de Souza Cavalcante, 38 anos, cometeu suicídio depois de matar a filha, Sara de Souza Cavalcante, 14 anos, e de ferir, com golpes de facão, a outra filha, Saila, de 8 anos, que está no hospital. A mulher, segundo depoimentos de familiares a Polícia, era depressiva, tomava medicamentos e já havia fugido de uma clínica após ser internada.

Menos de 24h depois, na manhã de quarta-feira (11), Ana Maria Mota Ramos Filha, 33 anos, matou o filho José Luis Ramos da Silva, 12 anos, e cometeu suicídio em seguida, em São Gabriel do Oeste. Os dois morreram por intoxicação de gás de cozinha. O adolescente tinha sinais de estrangulamento, provocado pela mãe. A mulher tinha cortes no pulso e no peito. Segundo a Polícia Civil, Ana Maria cortou a mangueira do botijão de gás da cozinha e foi para quarto, onde se trancou com o filho. À Polícia, os familiares relataram que o garoto estava com suspeita de câncer e o resultado do diagnóstico ficaria pronto na parte da tarde. Os parentes disseram ainda, que Ana Maria sempre dizia que preferia morrer e ver o filho morto a ter que enfrentar a doença.

O médico psiquiatra, Jony Afonso Domingues, explica que há várias formas da depressão e em alguns casos a doença pode se manifestar causando no paciente sintoma psicótico, como alucinações e delírios. Desta forma, a pessoa pode ouvir vozes que determinam a conduta do paciente, como por exemplo, o suicídio. Há também doenças psicóticas como a esquizofrenia, que também podem resultar em fins trágicos, pelos mesmos motivos da depressão.

A situação pode ser ainda pior, em caso de mães que antes de cometerem o suicídio pensam nos filhos. “Tirar a vida deles, na cabeça da paciente, seria uma forma de proteger ou poupá-los do sofrimento”, explica.

Compartilha da mesma opinião, a psicóloga Dilma Matos Caetano. Ela diz que nesses dois casos, acredita que as mães mataram por amor. “Claro que um amor distorcido e doente capaz de matar. No entanto, na cabeça dessas mulheres, a morte foi à única alternativa de livrar o filho de qualquer sofrimento”.

O médico explica ainda que essas doenças são crônicas e devem ser controladas com medicamentos pelo resto da vida. Porém, é critica a oferta pública de tratamento de doenças mentais no Brasil. “Pacientes graves e em crise devem ser tratados compulsoriamente em ambiente hospitalar”, destaca.

No entanto, a população de alguns municípios não tem acesso a esse tipo de serviço. A falta de assistência médica a esses doentes pode colocar a vidas deles e dos familiares em risco. Como nos dois casos das mães que mataram os filhos e depois cometeram suicídio.

De acordo com a psicóloga Dilma, o primeiro caso se encaixa no que se denomina filicídio psicótico e o segundo, altruísta. “No primeiro, os relatos deixam nítidos que a mãe matou a filha porque sofria de doença mental grave. No segundo, a mãe tenta livrar o filho de um sofrimento maior que poderia ser causado pelo câncer, em caso de diagnóstico positivo”, destaca a psicóloga.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 22 de Maio de 2018
Segunda, 21 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Domingo, 20 de Maio de 2018
15:18
Cassilândia/Itajá
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)