Cassilândia, Domingo, 15 de Dezembro de 2019

Últimas Notícias

23/11/2019 14:30

Aplicativo reforça combate ao Aedes aegypti

Governo do PR

Para ajudar a combater o mosquito Aedes aegypti, um grupo interdisciplinar formado por professores e estudantes, dos cursos de Ciências da Computação, Design Gráfico e Ciências Biológicas, desenvolveu o aplicativo Combate ao Aedes.

Com o formato de checklist, o aplicativo é voltado para verificação de itens que estão dentro e fora de casa. Ele tem interatividade, histórico das verificações e acompanhamento das atividades mês a mês. O app é gratuito e está disponível no Google Play.

A produção é interdisciplinar pelo Grupo de Desenvolvimento Móbile, que envolve os professores Jacques Brancher, do Departamento de Computação, João Zequi, do Departamento de Biologia Animal e Vegetal, e Paula Nappo, do Departamento de Design.

Participaram também da elaboração os estudantes Vitor Henrique Rosa Batista de Oliveira, do 4º ano do curso de Ciências da Computação, que desenvolveu o servidor do aplicativo (backend); Renan Ricoldi Frois Pedro, Fernando Morgado Pires Neto e Alan Willy Leisel, estudantes do 2º ano de Ciências da Computação e integrantes do Ramo Estudantil do IEEE, que fizeram o app (frontend), além dos estudantes do 3º ano de Design Gráfico, Gabriel Ribeiro da Silva e Lauren Caroline Sampaio de Sales, que desenvolveram a interface gráfica.

O professor João Zequi lembra que os mosquitos estão sofrendo mutação genética, o resultado que eles estão mais resistentes ao inseticida comercial, como mostra a pesquisa do projeto "Inovação em produtos de controle e repelência do vetor e no monitoramento de arbovírus", coordenado por ele.

Com isso, a maneira mais eficiente de combater o mosquito é evitar criadouros. E o aplicativo auxilia neste sentido. "Uma boa limpeza do quintal é o que a população precisa fazer", afirma João Zequi.

O aplicativo auxilia ainda para o mapeamento de áreas da cidade. O professor Jacques explica que, com o login do usuário, é possível identificar a localização e, com isso, poderá ser formado um banco de dados. Para isso, é necessária a participação das pessoas na utilização do app.

"Isso vai colaborar com o controle e é o ponto que precisa mais de atenção", afirma o estudante Vitor Batista de Oliveira, que atuou no desenvolvimento e já consegue ver a relevância do trabalho feito.

Para o estudante Fernando Morgado, importante também é a integração entre diferentes áreas. Ele afirma que ficou mais fácil para desenvolver a aplicação com o trabalho conjunto entre as áreas da Computação e Design.

AÇÕES - O app deriva de um checklist físico elaborado pelo Grupo de Trabalho de Vigilância e Controle do Aedes (GT Aedes), que desde 2015 realiza diversas ações para promover a educação e o combate ao mosquito causador da dengue. "Os projetos resultam de uma demanda maior, que é social, para converter em educação ambiental e saúde para a população", afirma Paula Nappo.

Diversos outros materiais foram elaborados, entre eles três Histórias em Quadrinhos (HQs), pela Liga de Combate ao Aedes. Foram impressos 25 mil exemplares das histórias Todos contra o Aedes, que atende a faixa etária de 6 a 12 anos. O material foi distribuído para a Secretaria de Educação de Londrina.

Outros 50 mil exemplares foram impressos dos HQs Tão Fácil, direcionado aos adolescentes de 13 a 17 anos, e O que não fiz, produzido para faixa etária acima de 18 anos. João Zequi conta que eles foram distribuídos até para o Ministério da Saúde, em Brasília, onde ele atua com outros grupos nacionais que pesquisam o Aedes aegypti.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 15 de Dezembro de 2019
10:44
Cassilândia
Sábado, 14 de Dezembro de 2019
09:00
Santo do Dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)