Cassilândia, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

13/08/2016 12:30

Apesar de poucos clientes, simpatia e fiado mantém mercearia aos moldes antigos

Campo Grande News
Quem entra na Mercearia Piratininga, leva de brinde a simpatia de Deusdete. (Foto: Alcides Neto)Quem entra na Mercearia Piratininga, leva de brinde a simpatia de Deusdete. (Foto: Alcides Neto)

O puxadinho é simples, mas quem entra consegue achar de quase tudo na mercearia de Deusdete de Araújo Ribeiro, de 67 anos. Com fachada amarela, em tom desbotado, pintada a mão, o lugar segue a mesma aparência há mais de duas décadas.

Quem chega ao local é recebido com a calma e simpatia do dono, mesmo admitindo o cansaço a espera de clientes. Assim funciona a Mercearia Piratininga, que leva o nome do bairro e até hoje sobrevive graças a venda no caderninho.

Seja no dinheiro ou no fiado, por ali se vende um pouco de tudo. Alimentos, doces, material de limpeza, utensílios para casa e pinga, muita pinga e vinho barato. Ele justifica que o estoque é montado de acordo com a preferência do cliente. "Ah, o vinho não pode faltar, ainda mais nesse tempinho frio, é isso daí que esquenta. Se faltar, quem compra pode reclamar", esclarece.

A mercearia era do cunhado, que passou para a irmã e nos últimos 26 anos está nas mãos de Deusdete e do irmão Joaquim Araújo Ribeiro, de 70 anos. Após anos trabalhando em garimpo, sem a riqueza que buscava, eles resolveram começar de novo por aqui.

Nascidos em São Paulo, vieram ainda pequenos para Mato Grosso do Sul e cresceram na região de Fala a Verdade, no município de Corguinho.

Após abrirem a mercearia, o irmão investiu em outro comércio pequeno em bairro próximo. Mas Deusdete não abriu mão de ficar no negócio da Piratininga.

Apesar de não ser tão antigo, quem vê o estabelecimento lembra que o espaço já fez parte da vida de muito vizinho. Entre uma venda e outra de tubaína, ele lembra dos amigos que fez por esses anos.

"Já vi muita criançada comprando aqui. Hoje tem gente casando, formado e até com filho. Tem gente que já mudou, mas quando passa aqui, para pra pedir um refrigerante", comenta cheio de orgulho.

Comum em muitos botecos da cidade e quase insubstituível, a tubaína também é vendida na Mercearia de Deusdete. Por R$ 1,50, depois da cachaça, é a bebida que o pessoal mais leva por ali. teve tempo que o sucesso era combinar o refrigerante com paçoca.

"Tubaína não falta, antigamente vinha mais gente, hoje são os clientes mais antigos e a molecada que ainda fica na rua. Mas colocar no saquinho é sagrado", reforça.

Com as mesmas características, os irmãos nunca tiveram o interesse de mudar ou ampliar o local. O puxadinho tem cerca de 28m² e é abarrotado de coisas.

Além dos mantimentos, nas vigas de madeira ficam pendurados os baldes e as vassouras que ele vende desde o inicio. "Antes eu vendia a vassoura capira feita de palha, mas hoje é difícil de encontrar. Então a gente substituiu por essas mais modernas", explica, mostrando os modelos que a gente encontra nos supermercados.

Mas de moderno o local não tem quase nada. Não passa cartão, as contas são feitas de cabeça e tudo é anotado no caderninho. Apesar de vender fiado, ele já avisa que a venda a moda antiga é feita para os clientes mais "chegados" e tudo também está na memória.

"Aqui é tudo a mão, tem cliente que prefere a continha. São os mais antigos sabe... E por isso é quase uma tradição, porque a gente não evoluiu muito. Para modernizar, tem que ter dinheiro, mas a gente não conseguiu chegar nesse patamar e também estamos cansados", desabafa.

Depois de 26 anos, ele não garante que o local vai durar muito tempo. "A gente quer parar, estamos velhos já e cansados. Os clientes que compram são os mais antigos. O que a gente quer é arrumar aqui, reformar e alugar. Depois se aposentar", revela.

Mas enquanto esse momento não chega, o sorriso permanece mesmo com o pouco entra e sai. A simpatia prevalece enquanto fica sentado na cadeira de plástico vendo o movimento da rua para ocupar o tempo. "E a gente vai levando né... Mas a gente aproveita para conversar com o amigos e observar."

A Merceria Piratininga fica na Rua Anchieta, próximo a Avenida Manoel da Costa Lima. Abre de segunda a sexta das 08h às 17h30. E no fim de semana das 08h às 12h.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)