Cassilândia, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

15/06/2010 18:57

Apesar das "mandingas", estreia do Brasil na Copa não muda a rotina de Buenos Aires

Luiz Antônio Alves, Correspondente da Agência Brasil na Argentina

Buenos Aires - O Brasil e a Argentina, mesmo sem estarem se enfrentando pelo gol, acrescentaram hoje (15) mais um episódio à história de vitórias e derrotas que, desde 1914, registra uma velha e folclórica rivalidade nos campos de futebol. Ao derrotar a Coreia do Norte por 2 a 1 - gols de Maicon, Elano e Ji Yun Nam - a seleção de Dunga sofreu para se impor contra os coreanos e esteve longe da extrema cordialidade que foi o destaque do primeiro jogo oficial de que se tem notícia entre Brasil e Argentina.

Segundo registros de 1913 - recuperados pela revista Placar em 1979 - o tenente-coronel Julio Roca criou, naquele ano, a copa que teria o seu nome. Apaixonado por futebol, Roca desejava que a disputa estimulasse a juventude argentina e brasileira que "em nossos países, cultiva esse nobilíssimo esporte". Em 1914, os brasileiros vieram até Buenos Aires, onde foram recebidos com flores. No dia 20 de setembro, Brasil e Argentina disputaram um amistoso, que terminou com vitória de 3 a 0 para a seleção da casa.

No dia 27 de setembro, o primeiro jogo oficial entre os dois países, na disputa pela Copa Roca, aconteceu no Gynmasia y Esgrima de La Plata. O jogador brasileiro Rubens Salles, citado como um homem de jogo e modos elegantes, fez 1 a 0 para o Brasil. No segundo tempo, o argentino Leonardi marcou um gol - com a mão. O juiz brasileiro Alberto Borgerth validou o lance.

O capitão argentino, Gallup Lanus, cavalheirescamente comunicou ao juiz que, devido à irregularidade do lance, seu time não aceitava a marcação. A vitória do jogo ficou com o Brasil. Torcedores invadiram o campo e levaram nos ombros o goleiro - então chamado goalkeeper - Marcos Mendonça.

Quase 100 anos depois, e em tempos de internet, a rivalidade futebolística Brasil x Argentina assume outra dimensão. Por exemplo: uma agência de publicidade de Rosário - com sucursais na Venezuela e na Espanha - inaugurou na rede uma página com o exclusivo propósito de divulgar "mandingas" contra a seleção brasileira. O título principal pede : "Façamos com que o Brasil jogue lento". E, para isso, a página criou um bordão: "Alentemos a Brasil".

A explicação para o termo alentemos é simples: diminuir a velocidade do jogo de determinado time de futebol. Entrevistados pela Agência Brasil, alguns torcedores de Buenos Aires veem na página uma brincadeira inocente. Outros não concordam com a desfiguração da bandeira verde-amarela, apresentada na abertura do site, em que o dístico "Ordem e Progresso" foi alterado para "Ordem e Regresso".

Brincadeira ou não, o fato é que, desde ontem (14), a rivalidade aumentou mais alguns níveis a partir de declarações de Pelé sobre Diego Maradona. Recentemente, o técnico argentino declarou: "Alguém disse por aí que um senhor moreno disse que a África não poderia receber a Copa. Cheguei aqui dois dias depois, falei com o Danny Jordan [chefe do comitê organizador] e disse para ele ficar tranquilo, tudo daria certo.”

Ontem (14), Pelé deu o troco. Disse que Maradona aceitou dirigir o time argentino porque precisava de dinheiro. "Vi que a Argentina se classificou com dificuldade nas eliminatórias, mas a culpa não é dele [Maradona]. É de quem o colocou no cargo".

A velha rivalidade futebolística entre Brasil e Argentina - independentemente das farpas entre Pelé e Maradona - fez-se sentir hoje (15), em Buenos Aires. Até as 12h30 (horário de Brasília) não se via nas ruas nenhuma camiseta verde-amarela que identificasse torcedor brasileiro longe de casa. Nem mesmo na Rua Florida, tradicional ponto de encontro de consumidores do Brasil em busca de produtos bons e baratos.

Na Avenida de Maio, bares e restaurantes exibem todos os jogos da Copa em televisores de tela plana. Na pizzaria La Continental, no centro da capital argentina, perguntado se haveria algum problema se os turistas brasileiros comemorassem eventual vitória do time de Dunga, um dos garçons respondeu, sorrindo: "se for apenas um pouquinho, não há problema. Só um pouquinho..."

Edição: Vinicius Doria

Correspondente da Agência Brasil na Argentina

Buenos Aires - O Brasil e a Argentina, mesmo sem estarem se enfrentando pelo gol, acrescentaram hoje (15) mais um episódio à história de vitórias e derrotas que, desde 1914, registra uma velha e folclórica rivalidade nos campos de futebol. Ao derrotar a Coreia do Norte por 2 a 1 - gols de Maicon, Elano e Ji Yun Nam - a seleção de Dunga sofreu para se impor contra os coreanos e esteve longe da extrema cordialidade que foi o destaque do primeiro jogo oficial de que se tem notícia entre Brasil e Argentina.

Segundo registros de 1913 - recuperados pela revista Placar em 1979 - o tenente-coronel Julio Roca criou, naquele ano, a copa que teria o seu nome. Apaixonado por futebol, Roca desejava que a disputa estimulasse a juventude argentina e brasileira que "em nossos países, cultiva esse nobilíssimo esporte". Em 1914, os brasileiros vieram até Buenos Aires, onde foram recebidos com flores. No dia 20 de setembro, Brasil e Argentina disputaram um amistoso, que terminou com vitória de 3 a 0 para a seleção da casa.

No dia 27 de setembro, o primeiro jogo oficial entre os dois países, na disputa pela Copa Roca, aconteceu no Gynmasia y Esgrima de La Plata. O jogador brasileiro Rubens Salles, citado como um homem de jogo e modos elegantes, fez 1 a 0 para o Brasil. No segundo tempo, o argentino Leonardi marcou um gol - com a mão. O juiz brasileiro Alberto Borgerth validou o lance.

O capitão argentino, Gallup Lanus, cavalheirescamente comunicou ao juiz que, devido à irregularidade do lance, seu time não aceitava a marcação. A vitória do jogo ficou com o Brasil. Torcedores invadiram o campo e levaram nos ombros o goleiro - então chamado goalkeeper - Marcos Mendonça.

Quase 100 anos depois, e em tempos de internet, a rivalidade futebolística Brasil x Argentina assume outra dimensão. Por exemplo: uma agência de publicidade de Rosário - com sucursais na Venezuela e na Espanha - inaugurou na rede uma página com o exclusivo propósito de divulgar "mandingas" contra a seleção brasileira. O título principal pede : "Façamos com que o Brasil jogue lento". E, para isso, a página criou um bordão: "Alentemos a Brasil".

A explicação para o termo alentemos é simples: diminuir a velocidade do jogo de determinado time de futebol. Entrevistados pela Agência Brasil, alguns torcedores de Buenos Aires veem na página uma brincadeira inocente. Outros não concordam com a desfiguração da bandeira verde-amarela, apresentada na abertura do site, em que o dístico "Ordem e Progresso" foi alterado para "Ordem e Regresso".

Brincadeira ou não, o fato é que, desde ontem (14), a rivalidade aumentou mais alguns níveis a partir de declarações de Pelé sobre Diego Maradona. Recentemente, o técnico argentino declarou: "Alguém disse por aí que um senhor moreno disse que a África não poderia receber a Copa. Cheguei aqui dois dias depois, falei com o Danny Jordan [chefe do comitê organizador] e disse para ele ficar tranquilo, tudo daria certo.”

Ontem (14), Pelé deu o troco. Disse que Maradona aceitou dirigir o time argentino porque precisava de dinheiro. "Vi que a Argentina se classificou com dificuldade nas eliminatórias, mas a culpa não é dele [Maradona]. É de quem o colocou no cargo".

A velha rivalidade futebolística entre Brasil e Argentina - independentemente das farpas entre Pelé e Maradona - fez-se sentir hoje (15), em Buenos Aires. Até as 12h30 (horário de Brasília) não se via nas ruas nenhuma camiseta verde-amarela que identificasse torcedor brasileiro longe de casa. Nem mesmo na Rua Florida, tradicional ponto de encontro de consumidores do Brasil em busca de produtos bons e baratos.

Na Avenida de Maio, bares e restaurantes exibem todos os jogos da Copa em televisores de tela plana. Na pizzaria La Continental, no centro da capital argentina, perguntado se haveria algum problema se os turistas brasileiros comemorassem eventual vitória do time de Dunga, um dos garçons respondeu, sorrindo: "se for apenas um pouquinho, não há problema. Só um pouquinho..."

Edição: Vinicius Doria

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 18 de Dezembro de 2017
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)