Cassilândia, Quarta-feira, 29 de Março de 2017

Últimas Notícias

10/11/2004 08:47

Apenas 11 cidades cumprem meta de Ministério da Saúde

Jacqueline Lopes / Campo Grande News

Algumas cidades de Mato Grosso do Sul têm cumprido a determinação do Ministério da Saúde. Cesáreas são feitas somente em último caso.
Tacuru, por exemplo, município a 422 quilômetros de Campo Grande, é um deles. Dos 113 partos registrados no primeiro semestre deste ano pelo SUS (Sistema Único de Saúde), apenas 12 foram cesáreas.
Um número considerado bastante animador, segundo o presidente da Sociedade Brasileira de Pediatria em Mato Grosso do Sul, Rubens Trombini. O Ministério da Saúde exige que seja no máximo 30% de cesáreas, número que deve cair a 25% em 2005.
Dos 77 municípios de Mato Grosso do Sul, apenas 11 cumprem a meta do Ministério da Saúde de que até 30% dos partos podem ser cesáreas. Em Tacuru, apenas 10% dos partos no primeiro semestre foram cesáreas. Já em Alcinópolis, 70% de cirurgias em partos foram registradas.
As cidades que cumprem a determinação do Ministério da Saúde são: Água Clara 30% , Antônio João 29.7% , Aral Moreira 22.4%, Coronel Sapucaia 26.1%, Douradina 18.9%, Japorã 25%, Nioaque 31%, Paranhos 26.2%, Ponta Porã 28.3%, Porto Murtinho 30.7% e Tacuru 10%.
A questão cultural que enaltece as cesáreas pode ser um dos fatores desta realidade, segundo a psicóloga com formação holística e um currículo com cursos no Brasil, Europa e Estados Unidos, Muriel Medeiros Chaves.
“Infelizmente, a pratica errônea de partos normais traumatizou algumas mulheres que acabam desaconselhando outras”, diz a especialista. Por isso, o grande número de mulheres que optam pela cesárea. “Muitas foram dilaceradas por profissionais desumanos”, afirma.
Para Muriel Chaves, a qualidade da gestação e o parto normal adequado são componentes fundamentais para a saúde da mãe e filho. Além dos benefícios físicos causados pelo “boom” de hormônios que invadem o organismo feminino no momento das contrações uterinas o aspecto psicológico faz do laço maternal uma proteção afetiva para o resto da vida. A tese científica que fez o Ministério da Saúde mudar regras e incentivar desde 2000 os partos normais encontra gargalos baseados no modo cultural.
Para Trombini, na rede pública de saúde é preciso avaliar como tem sido feito o pré-natal, pois segundo o pediatra, depende do acompanhamento gestacional a preparação para o parto normal.
“O sucesso do parto normal está ligado ao pré-natal. Um período importante para a mãe e o médico criarem elo de confiança”, diz Trombini.
Mas, como a toda regra há exceção, o especialista faz ressalva dizendo que a cesárea pode vir a ser feita caso seja apresentado algum risco em relação ao parto normal.
“São poucos os casos que as mães querem normal e depois o bebê nasce em cesárea. Se houver uma relação de confiança entre a mãe e o médico não há problema, pois a cirurgia pode ser feita se houver necessidade”, diz.
Na contra mão das exigências do Ministério da Saúde, que priorizam o parto normal, nos primeiros seis meses deste ano, o município de Costa Rica, a 330 quilômetros da Capital, fez, em 122 partos, 81 cesáreas. “Casos como este fazem a gente refletir sobre o pré-natal. Por que tantas cesáreas?”, questiona Trombini.
Já cidades como Campo Grande, Dourados, Três Lagoas e Corumbá são apontados como centros de atendimento a gestação de risco. Isso implica maior número de cesáreas, já que há o acúmulo de pacientes do interior, onde não existe a especialidade.

Campo Grande - No primeiro semestre a cesárea foram 758 casos a mais de cesárea do que de normal - 2.662 partos normais e 3.420 cirurgias.

Corumbá – 724 partos normais e 521 cesáreas

Dourados – 750 partos normais e 566 cesáreas

Três Lagoas – Foram 405 partos normal e o mesmo número de cesáreas

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 29 de Março de 2017
Terça, 28 de Março de 2017
21:41
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)