Cassilândia, Domingo, 27 de Maio de 2018

Últimas Notícias

18/11/2013 07:02

Aos 27, ela se converteu ao Islã, achou um noivo, mas tem de se casar em 40 dias

Paula Maciulevicius, Campo Grande News
Prestes a se casar, ela e o noivo lutam contra o relógio para dar tempo de assinarem a união no cartório.Prestes a se casar, ela e o noivo lutam contra o relógio para dar tempo de assinarem a união no cartório.

Nos últimos dois meses, a vida de Kellen Giroletta, de 27 anos, passou por uma reviravolta. Do sobrenome ao parentesco, ela não tem nada de árabe, mas a curiosidade a levou para os estudos e a conversão para a religião Islâmica.

O mesmo ‘Ala’ que a trouxe para os caminhos, colocou um marido egípcio na vida dela e agora os dois travam uma luta contra a burocracia, tendo como principal adversário o relógio. Os dois precisam se casar em menos de 40 dias, senão ele será deportado.

Sem véu, com uniforme do trabalho, o qual ela não vai largar nem pela religião e nem pelo casamento, garante, Kellen continua com os costumes ocidentais e frisa que ninguém pediu a ela para mudar qualquer coisa. A história toda começou em maio. Kellen já tinha amigos muçulmanos no Facebook e resolveu ir mais a fundo. “Comecei a pesquisar como vivem, agem, o que fazem”, conta. O próximo passo foi dar início às aulas de árabe na mesquita. A visita lhe rendeu amigos que a receberam de braços abertos.

“Comecei a ver que as pessoas ficam falando, criticando, sem saber. Eu fui encontrando espaço lá. Onde a gente se sente bem é onde tem que ficar não é?”, indaga. Criada na igreja Católica, a jovem também frequentou cultos evangélicos e afirma ter visto mais preconceito dentro de igrejas do que na mesquita. “Eu tenho um filho e ninguém nunca se aproximou de mim. Na mesquita eles foram muito receptivos”, completa.


Em uma semana ela leu todos os 20 livros que falavam sobre a religião e decidiu que era aquilo mesmo que queria para a vida futura. O ‘sim’ ao Islã se seguiu de ‘não’ dos amigos, carregados de pré-conceitos.

“Eles falavam que eu era louca, que todo mundo é terrorista. Mas não, os muçulmanos são o povo mais temente a Deus. Quando eu vi que não tinha maldade nenhuma e se é para o meu próprio bem espiritual e convívio com Deus, decidi me tornar muçulmana”.

A decisão não é sacramentada por batismo. Não tem água envolvida e nem um ritual específico. Ela só precisa aceitar Deus como único salvador. “É a charrada, que é a confissão da fé, de que eu aceitei somente Ele”, explica.

Em uma das comemorações da religião, o noivo de Kellen despertou os olhares para ela. Egípcio, o rapaz teve de chegar em um dos líderes da mesquita para perguntar por ela e saber como se aproximar.

O mesmo líder fez o meio de campo. Falou sobre ele a Kellen e do desejo que ele tinha de a conhecer melhor. “Primeiro eu fiquei pensando, mas depois eu aceitei”, conta.

No namoro, os dois podem se visitar, no entanto é preciso ter sempre a companhia de alguém. O período é curto e quando os dois aceitam as condições impostas um pelo outro, passam ao compromisso de noivado até que o casamento chegue.


“Ele me ama. O tratamento é diferente, você sabe que pode confiar na pessoa. Os muçulmanos temem muito a Deus e para eles a mentira é o pior pecado do mundo. Eu, se pudesse, arrumaria um marido árabe para cada amiga”, brinca.

O português ele tem aprendido aos poucos. Ela não sabe dizer como “mas ele entende o que falo. Se você falar a mesma coisa com ele, ele não te entende”, descreve.

A contagem para o casamento não é regressiva. Nem ela e nem ele querem que a data chegue logo diante de todo processo em cartório. Na última terça-feira foi concedido a ele um visto de 45 dias. Já passado uma semana, eles ainda não conseguem prever a data do ‘sim’ dentro do prazo.

“Eu pedi na Polícia Federal para renovarem o visto por 100 dias. O policial disse que podia por 45, porque dessa parte do mundo ele pode ser terrorista e que o ano que vem é Copa”, relata.

Nem a falta de prazo tira o sorriso da muçulmana recém convertida. “Eu estou muito feliz, era o destino. Deus teve que trazer uma pessoa do outro lado do mundo para me entender. Todas as coisas que estão acontecendo é pela vontade de Deus”.

 

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 27 de Maio de 2018
Sábado, 26 de Maio de 2018
14:57
Cassilândia
10:00
Receita do dia
Sexta, 25 de Maio de 2018
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)