Cassilândia, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

11/08/2005 10:46

ANS vai recorrer contra aumento em Planos de Saúde

Agência Brasil

O reajuste deste ano para as mensalidades dos planos de saúde com contratos anteriores a janeiro de 1999 permanece em 11,69%. Mas a Agência Nacional de Saúde (ANS) informa que vai recorrer dessa decisão no Superior Tribunal de Justiça, a fim de garantir os aumentos que já havia autorizado.

A decisão de manter os 11,69% foi dada por unanimidade, ontem (9), pela 4ª Turma do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, em Recife, que julgou recurso da ANS mas confirmou a decisão anterior do desembargador federal Marcelo Navarro. As duas principais operadoras afetadas pela decisão judicial são a Sul América Companhia de Seguros e a Bradesco Saúde S/A. Elas devem aplicar o reajuste de 11,69% e não mais de 25,80% e 26,10%, respectivamente. A ANS havia autorizado esses aumentos, com base num termo de ajustamento de conduta que levou ao repasse de resíduos de custos dos planos.

Segundo a advogada Lumena Sampaio, do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), o pagamento do valor mais alto não é obrigatório. "Contra cada operadora que fez o termo de ajustamento de conduta existe uma ação civil pública correndo (...) Essas ações pontuais contra as operadoras garantiram reajuste de 11,75% em 2004, sem cobrança de qualquer resíduo, e de 11,69% para este ano", justificou.

Lumena lembrou que esse último reajuste foi estabelecido pela própria ANS: "O que se pede é que haja o cumprimento disto. Só que a ANS autorizou os resíduos do ano passado e mais um percentual diferente dos contratos antigos para este ano".

Para a advogada, a obrigação das operadoras é emitir uma segunda via do boleto. Caso não façam isso, o consumidor deverá consignar o pagamento extra-judicialmente, por meio de um dos bancos oficiais, nos quais ele pode abrir uma conta provisória em nome da operadora e fazer um depósito com o valor correspondente à mensalidade com o aumento de apenas 11,69%. "Se a operadora não sacar, o consumidor deve propor uma ação de consignação em pagamento, ou seja, ele terá que ir pelas vias judiciais", esclareceu.

Outra opção, explicou, é pagar mediante ressalva, o que significa que basta o consumidor escrever no verso do cheque, por exemplo, que ele está efetuando o pagamento desta forma, enquanto a ação judicial estiver em curso. "Isto vai fazer com que ele resguarde o direito de, no momento da decisão final, reaver em dobro aquilo que foi pago indevidamente", acrescentou.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
06:50
Loterias
Sexta, 02 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)