Cassilândia, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

10/10/2005 08:11

Ameaçado de extinção, pirarucu tem pesca regulada

Thaís Brianezi/ABr

A pesca do pirarucu, prejudicada pela seca que atinge a região, é controlada desde 1992. O motivo é o risco de extinção do peixe. No Amazonas, maior estado produtor, a pesca passou a ser proibida durante o ano inteiro, em 1996: o único pirarucu que pode ser comercializado é o proveniente de áreas de manejo autorizadas pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

"Todo animal proveniente de área de manejo tem um lacre com numeração individual. Esse código é utilizado na emissão da autorização para transporte (guia de trânsito) e para venda (guia de comercialização), que o atravessador e o comerciante solicitam ao Ibama. Se o consumidor estiver em dúvida sobre a procedência do peixe, deve pedir para verificar essa guia", aconselhou Júlio Siqueira, chefe do Núcleo de Recursos Pesqueiros do Ibama no Amazonas.

O pirarucu é um peixe grande, que pode medir até três metros e pesar 200 quilogramas. Ele respira ar atmosférico – e é no momento em que vem à superfície que o riberinho costuma atingi-lo com o arpão. É também este vira à tona que permite a contagem dos pirarucus adultos de um lago, realizada pelos comunitários. "Cada pescador vigia um pedaço do lago, durante cerca de 20 minutos. Ele sabe que o pirarucu é adulto por causa do barulho que faz quando sobre na água e pela visualização do lombo do peixe", explicou Ivonei Gonçalves Costa, supervisor digitador do desembarque pesqueiro na Reserva Mamirauá. É considerado adulto o pirarucu que mede pelo menos 1,5 metros (tamanho mínimo exigido para a pesca), o que equivale a aproximadamente 40 quilos.

"São os próprios pescadores que fazem a contagem e fiscalizam os lagos que solicitam ao Ibama a quantidade de peixes que gostariam de pegar. A cota, em geral, é de 30% da população adulta, para que se tenha segurança de que o estoque de pirarucus não vai terminar", explicou Júlio.

Neste ano, por recomendação do Ministério da Agricultura, o pirarucu está sendo vendido inteiro pelos pescadores ou na forma de "charuto" (sem a cabeça e sem vísceras). "O beneficiamento ocorria no local da captura: os pescadores cortavam o pirarucu em mantas na beira do lago, sem as condições de higiene adequadas", revelou Júlio. "A manta era mais fácil de vender que o charuto. Os pescadores agora precisam carregar o peixe inteiro nas costas, pelos varadouros (caminhos no meio da mata). Por outro lado, melhorou a qualidade do produto, e com isso a chance de ganhar novos mercados", ponderou Luís Henrique.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)