Cassilândia, Domingo, 11 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

22/03/2005 09:18

Ambiental: Polícia Federal quer leis mais fortes

Eduardo Mamcasz /ABr

O novo chefe da Divisão de Repressão a Crimes Ambientais da Polícia Federal, delegado Paulo Tarso, afirmou que a legislação brasileira em vigor não trata esse tipo de crime "da forma como deveria", ao não disponibilizar ferramentas e instrumentos "tanto para quem fiscaliza quanto para quem tem de combatê-lo". A afirmação foi feita no documentário "Amazônia - terra cobiçada", que está sendo veiculado pelas rádios Nacional da Amazônia e de Brasília.

O delegado explicou que a Divisão contra Crimes Ambientais na Polícia Federal foi criada porque a demanda estava muito grande. Acrescentou que o crescimento desse tipo de crime ocorre em razão "do grande retorno financeiro que ele rende aos infratores". Na Amazônia, afirmou o delegado, existe uma "atuação organizada de grupos", principalmente na área de animais silvestres.

O chefe da repressão ao crime ambiental da PF informou que os contrabandistas chegam a levar até "partes de animais silvestres como, por exemplo, dentes de uma onça". Há muitos casos ainda de artesanato indígena exportado ilegalmente, penas de arara, de mutum e de peixes ornamentais. De acordo com o delegado, "eles pescam em grande quantidade e levam como se fosse para consumo, mas na verdade são ornamentais."

A questão da madeira ilegal também preocupa a Polícia Federal e segundo Paulo Tarso, na Amazônia é importante a cooperação e a troca de informações sobre os criminosos que estão atuando nessa área, entre "as embaixadas e os adidos policiais". Como exemplo, ele citou a ida de uma comitiva oficial do governo brasileiro, no dia 4 de abril, a Lima, no Peru, para tratar da invasão dos madeireiros peruanos ao lado brasileiro.

"Esses madeireiros peruanos estão ligados aos madeireiros asiáticos e há até um conflito na região, envolvendo os indígenas da etnia Ashaninka, que têm uma parte no lado do Brasil e a outra no lado do Peru, onde foi devastada grande área e agora eles estão invadindo o lado brasileiro", disse Paulo Tarso

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 10 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)