Cassilândia, Sábado, 23 de Setembro de 2017

Últimas Notícias

18/02/2007 17:30

Álcool gera dependência em pelo menos 11% da população

Clara Mousinho e José Carlos Mattedi/ABr

Brasília - Durante o carnaval, a população brasileira aumenta o consumo de bebidas alcoólicas, especialmente cerveja, como mostra dados do setor e as apostas de vendas da indústria. Esse período também pode gerar o início de um processo de dependência do álcool - processo que, segundo dados da Coordenação de Saúde Mental do Ministério da Saúde, atinge 11% da população brasileira com mais de 12 anos de idade. Nos últimos dez anos, o consumo aumentou entre adolescentes e mulheres, especialmente de cerveja.

O Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas (Cebrid) realizou, em 2004, uma pesquisa sobre o consumo de drogas entre 48 mil estudantes das escolas públicas de todas capitais do país. O estudo constatou que 65,2% dos alunos já beberam, 15,5% já fizeram uso de solventes, 5,9% fumaram maconha, 2% usaram cocaína e 0,7% crack.

A pesquisa revelou que o consumo do álcool é precoce, pois 41,2% dos estudantes entre 10 e 12 anos já consumiram bebidas alcoólicas. Segundo o presidente do Cebrid, Elisaldo Carlini, 90% das internações são feitas por causa do uso excessivo do álcool e o problema deve ser prevenido com mais intensidade.

O coordenador de Saúde Mental do Ministério da Saúde, Pedro Gabriel Delgado, disse em entrevista na última terça-feira (13) que o tratamento de álcool e drogas do Brasil precisa ser ampliado, para que o atendimento de usuários seja feito também em ambulatórios.

"É preciso ampliar, no caso dos dependentes químicos, há capacidade de atendimento para internações breves em hospitais gerais. Para internações, por exemplo, no caso de intoxicações alcoólicas agudas ou de transtornos ligados ao consumo de drogas que produzem quadros mais graves", explicou Delgado. Segundo ele, 140 Centros de Atenção Psicossocial de Álcool e Drogas (CAPS AD) atendem pacientes com transtornos causados pelo uso de bebidas alcoólicas e outras substâncias tóxicas.

Os centros funcionam em municípios com mais de 70 mil habitantes e articulam políticas públicas e ações sociais para discutir e prevenir do abuso de substâncias. O tratamento nas cidades menores é feito pelos postos de saúde. Mas a atenção é dada de forma superficial, pois não existe nenhuma terapia específica para jovens.


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 23 de Setembro de 2017
Sexta, 22 de Setembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)