Cassilândia, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

16/10/2007 07:19

Álcool combústivel era usado na mistura das bebidas

Vladimir Platonow /ABr

A polícia procura outros integrantes da quadrilha que falsificava bebidas alcoólicas em três estados do país. A operação já levou à cadeia sete pessoas – cinco no Rio de Janeiro e duas em São Paulo – e resultou na apreensão de centenas de caixas de uísque, vodca e champanhe, a grande maioria imitando marcas caras e famosas.

As bebidas falsificadas eram fabricadas na cidade de Araruama, na Região dos Lagos do Rio, e vendidas para restaurantes, boates, hotéis e grandes eventos. De acordo com as informações passadas à polícia pelos investigados, as misturas eram feitas de corantes e álcool hidratado, do mesmo tipo vendido em postos de combustíveis.

O chefe de Polícia do Rio de Janeiro, Gilberto Ribeiro, afirmou ontem (15) que o próximo passo é verificar se houve participação dos funcionários dos estabelecimentos comerciais na compra das bebidas, que por conter álcool combustível – composto por metanol - pode prejudicar a saúde e levar a problemas graves, chegando à cegueira. “Os crimes podem levar a uma pena de 29 anos de prisão e se ficar provada má fé dos que compraram, também vão responder judicialmente”.

Segundo Ribeiro, alguns dos envolvidos contaram que já estavam trabalhando no ramo de bebidas há 15 anos. Os rótulos, as caixas e o lacre do Imposto sobre Propriedade Industrial (IPI) eram produzidos em uma gráfica montada na casa de um dos envolvidos, na cidade de Maringá (PR). Através de um computador apreendido, a polícia espera rastrear os negócios da quadrilha, chegando a mais participantes.

O titular da Delegacia de Repressão aos Crimes contra Propriedade Imaterial (DRCPIM), delegado Ângelo Ribeiro de Almeida Júnior, disse que todos os que compraram as bebidas falsificadas serão chamados a depor.

A delegada substituta da DRCPIM, Valéria de Aragão Sadio, informou que o volume total de dinheiro movimentado pela quadrilha ainda está sendo apurado, mas eram altas somas de dinheiro. Ela revelou que só um dos integrantes considerado de nível mais baixo da organização, responsável pela tarefa de arrecadar garrafas vazias, recebia R$ 1,5 mil por semana.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)