Cassilândia, Domingo, 27 de Maio de 2018

Últimas Notícias

27/08/2007 09:53

Alcides Silva: Língua Portuguesa, Inculta e Bela

Alcides Silva

Deixai vir (ou virem) a mim as criancinhas?

O uso das fórmulas flexionadas ou não flexionadas do infinitivo é um idiomatismo (sinônimo de idiotismo, do grego idios = próprio) da língua portuguesa: só nela existe o infinitivo pessoal. Apesar disso, é uma das questões sintáticas mais controvertidas, com regras que alguns gramáticos dizem ser insuficientes e até desnecessárias.
O emprego do infinitivo é antes de tudo uma questão de ordem estilística, de clareza do texto.
Relembrando: o infinitivo pode ser impessoal, sem flexão, que é o nome do verbo, não tem sujeito, sem tempo e indica a ação de um modo geral: ‘Ler é um hábito que adquiri em criança’; e pessoal, que tem um sujeito próprio e pode ou não flexionar-se: ‘Julgo teres (tu) lido bastante’.
Do emaranhado de regras existentes, uma norma geral deve ser guardada: a que manda verificar se os sujeitos dos dois verbos são iguais ou diferentes. Quando iguais, usa-se o infinitivo pessoal: ‘Vi surgirem duas crianças’- ‘Comprei o livro para estudarmos’.

Hoje vamos verificar somente o emprego da forma não flexionada.

O infinitivo é impessoal:
a - quando não se refere a nenhum sujeito: ‘Impossível assobiar e chupar cana ao mesmo tempo’;
b - quanto tem valor imperativo: ‘Não fumar’ - ‘Não beber’- ‘Seguir em frente’- ‘Passar pela direita’ (autores há que chamam essas formas de ‘imperativo cortês’, porque não havendo pessoa, deixa de dirigir-se diretamente a quem lê, sem, contudo, perder o caráter de uma ordem);
c - no caso de voz passiva formada com infinitivo regido pela preposição de: ‘São palavras duras de dizer’ (= de serem ditas) - ‘Trabalho fácil de fazer’ (= de ser feito);
d - o verbo parecer quando empregado junto com outro verbo, pode ser flexionado ou não. Se o verbo parecer flexionar, emprega-se o infinitivo impessoal: ‘Parecias confiar nele’- ‘Pareces estar contrariado’;
e - no caso do infinitivo formar com o verbo principal (verbo regente) uma só expressão, mesmo que os verbos estejam separados e o sujeito de ambos não forem os mesmo. Geralmente acontece com os denominados verbos causativos (deixar, mandar, fazer e sinônimos) ou com os verbos sensitivos (ver, sentir, ouvir e sinônimos) - ‘Pretendíamos fazer uma longa caminhada’- ‘Mandei-os entrar’.
Assim, a dúvida que abre o comentário fica solucionada: ‘Deixai vir a mim as criancinhas’.


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 27 de Maio de 2018
Sábado, 26 de Maio de 2018
14:57
Cassilândia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)