Cassilândia, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

27/08/2007 09:53

Alcides Silva: Língua Portuguesa, Inculta e Bela

Alcides Silva

Deixai vir (ou virem) a mim as criancinhas?

O uso das fórmulas flexionadas ou não flexionadas do infinitivo é um idiomatismo (sinônimo de idiotismo, do grego idios = próprio) da língua portuguesa: só nela existe o infinitivo pessoal. Apesar disso, é uma das questões sintáticas mais controvertidas, com regras que alguns gramáticos dizem ser insuficientes e até desnecessárias.
O emprego do infinitivo é antes de tudo uma questão de ordem estilística, de clareza do texto.
Relembrando: o infinitivo pode ser impessoal, sem flexão, que é o nome do verbo, não tem sujeito, sem tempo e indica a ação de um modo geral: ‘Ler é um hábito que adquiri em criança’; e pessoal, que tem um sujeito próprio e pode ou não flexionar-se: ‘Julgo teres (tu) lido bastante’.
Do emaranhado de regras existentes, uma norma geral deve ser guardada: a que manda verificar se os sujeitos dos dois verbos são iguais ou diferentes. Quando iguais, usa-se o infinitivo pessoal: ‘Vi surgirem duas crianças’- ‘Comprei o livro para estudarmos’.

Hoje vamos verificar somente o emprego da forma não flexionada.

O infinitivo é impessoal:
a - quando não se refere a nenhum sujeito: ‘Impossível assobiar e chupar cana ao mesmo tempo’;
b - quanto tem valor imperativo: ‘Não fumar’ - ‘Não beber’- ‘Seguir em frente’- ‘Passar pela direita’ (autores há que chamam essas formas de ‘imperativo cortês’, porque não havendo pessoa, deixa de dirigir-se diretamente a quem lê, sem, contudo, perder o caráter de uma ordem);
c - no caso de voz passiva formada com infinitivo regido pela preposição de: ‘São palavras duras de dizer’ (= de serem ditas) - ‘Trabalho fácil de fazer’ (= de ser feito);
d - o verbo parecer quando empregado junto com outro verbo, pode ser flexionado ou não. Se o verbo parecer flexionar, emprega-se o infinitivo impessoal: ‘Parecias confiar nele’- ‘Pareces estar contrariado’;
e - no caso do infinitivo formar com o verbo principal (verbo regente) uma só expressão, mesmo que os verbos estejam separados e o sujeito de ambos não forem os mesmo. Geralmente acontece com os denominados verbos causativos (deixar, mandar, fazer e sinônimos) ou com os verbos sensitivos (ver, sentir, ouvir e sinônimos) - ‘Pretendíamos fazer uma longa caminhada’- ‘Mandei-os entrar’.
Assim, a dúvida que abre o comentário fica solucionada: ‘Deixai vir a mim as criancinhas’.


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
10:00
Receita do dia
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)