Cassilândia, Sábado, 24 de Junho de 2017

Últimas Notícias

16/04/2009 15:10

Alcides Silva: Língua portuguesa, inculta e bela

Alcides Silva

Pronome apassivador
Em um comentário sobre a atualidade nacional, li que determinado banqueiro, pivô de uma crise institucional que envolveu inclusive o Supremo Tribunal Federal, dificilmente escapará de uma pesada condenação, “porque a ele se atribui muitas ações lesivas ao erário”.
Há, na frase final daquele comentário, uma incorreção muito comum na linguagem oral que é a não concordância da pessoa verbal com o pronome apassivador se: “a ele se atribui muitas ações lesivas ao erário”. O verbo atribuir, dessa frase está no singular, como se o seu sujeito fosse “ele” e o complemento, as ‘muitas ações lesivas ao erário’. Deveria estar no plural: a ele se atribuem muitas ações lesivas ao erário, pois as ações lesivas é que lhe são atribuídas.
Para melhor entender o engano, devemos voltar às vozes do verbo.
Verifique: O governo diminuiu a taxa dos juros bancários; A taxa dos juros bancários foi diminuída pelo governo.
Na primeira oração, o sujeito ‘governo’ pratica ação: é o agente; na segunda frase, o sujeito ‘taxa dos juros’ não pratica a ação verbal, mas a recebe: é o paciente.
A voz de um verbo é determinada pelo caráter ativo ou passivo do sujeito:
Sujeito agente (voz ativa): O eleitor só exercerá seu voto no próximo ano;
Sujeito paciente (voz passiva): O voto só será exercido pelo eleitor no próximo ano.
A voz passiva pode apresentar-se de duas formas: 1- Passiva analítica (com locuções verbais, isto é, verbo auxiliar mais particípio): O voto será exercido – As taxa dos juros foram diminuída; 2-Passiva sintética (com o pronome apassivador se): A ele se atribuem muitas ações lesivas ao erário (muitas ações lesivas ao erário são atribuídas a ele).
Emprega-se o pronome apassivador se em duas situações: 1º- quando o sujeito for um ente inanimado e, conseqüentemente, incapaz de praticar a ação verbal; 2º- quando o sentido da oração mostrar que o sujeito é apenas paciente.
Na oração Alugam-se ranchos à beira do Lago, o sujeito ‘ranchos’ é inanimado e incapaz de praticar a ação indicada pelo verbo. Igualmente, dentre outros, em Vendem-se casas e Consertam-se móveis.
É sabido que estando o sujeito no plural, o verbo também irá para o plural. Assim como não é correto dizer-se aluga-se ranchos (pois, ranchos – sujeito plural, exige verbo no plural: são alugados), vende-se casas (casas são vendidas), conserta-se móveis (móveis são consertados), errado também o a ele se atribui muitas ações lesivas ao erário, porque o que o comentarista pretendia dizer, se usasse a passiva analítica, era que ‘muitas ações lesivas ao erário são atribuídas a ele’(pré-candidato). Como o comentarista preferiu a forma sintética, deveria ter escrito a quem se atribuem muitas ações lesivas ao erário.
Além dessa função apassivadora, o pronome se pode exercer na oração outras funções e indicar:
a - reflexibilidade acentuada, aliás, uma das principais funções desse pronome, é indicar que o sujeito é, ao mesmo tempo, agente e paciente da ação verbal: O menino feriu-se soltando pipas;
b- reflexibilidade atenuada, quando acompanha verbos nominais essenciais: Queixou-se de ter lutado em vão. O se perde o valor real de objeto direto, exercendo essa função de modo aparente. No exemplo, o se não indica propriamente a ação verbal sobre o sujeito, mas uma ação que fica no sujeito sem passar para um objeto. Na frase acima, o se indica reflexibilidade por força do próprio verbo e não em virtude do sujeito;
c - reciprocidade, quando o pronome se, numa oração de sujeito composto, indica correspondência de ação: Romeu e Julieta amaram-se ardorosamente – Eles odeiam-se de ódio mortal;
d- impessoalidade, quando, na oração, o verbo não tem sujeito determinado: Perde-se horas a fio nas filas dos postos de saúde.
Uma observação importante: em português, verbos que pedem preposição não admitem voz passiva. Assim, na frase Precisa-se de operários o verbo fica no singular, porque o sujeito do verbo precisar não é operário. Quem precisa, precisa de alguma coisa (objeto indireto). Operários, no exemplo dado, é complemento (objeto indireto) do verbo precisar.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 24 de Junho de 2017
Sexta, 23 de Junho de 2017
Quinta, 22 de Junho de 2017
10:00
Receita do Dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)