Cassilândia, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

12/11/2009 06:45

Alcides Silva: Língua portuguesa, inculta e bela!

Alcides Silva

“Apagão”
A versão oficial está nos empurrando aos tempos de antigamente, quando o fornecimento de emergia elétrica era intermitente, e uma marchinha de carnaval dos anos 50, da dupla Vitor Simon e Fernando Martins, entoava a irresponsabilidade na prestação de serviços públicos essenciais: “Cidade que nos seduz / De dia falta água / De noite falta luz.”
O governo apontou três culpados pelo apagão desta semana. Raios, chuvas e ventos. Trovejou forte sobre a cidade de Itaberá. interior de São Paulo, um município onde se interligan linhas de transmissão abastecidas por Itaipu.
“No Brasil, "há a maior concentração desses fenômenos [climáticos], e nessa região mais ainda", disse Lobão. O titular da pasta de Minas e Energia acrescentou: “Houve um curto-circuito nos três circuitos que vêm de Itaipu". Nada, porém, que leve à perda do sono. "O sistema do Brasil é bom”, Lobão fez questão de enfatizar. “Uma das máquinas perfeitas que a humanidade criou é o avião... ... E o avião também cai. Houve um acidente e vamos esperar para que não mais ocorram".
Lula em entrevista, apressou-se em diferenciar o seu apagão do blecaute de FHC. Em 2001, explicou, “a gente não produzia energia suficiente”. Hoje, “duas coisas estão certas: não faltou geração de energia e o problema não foi de falta de linha [de transmissão], porque elas estão interligadas”.
Como hoje, o governo anunciava que os “pesados investimentos” que aplicara na área de geração de energia elétrica eram suficientes para atender toda a demanda, mesmo que a previsão do crescimento tivesse sido superestimada. Os dias foram chegando e discursos marotos e pinoqueanos tentaram engabelar a sociedade, atirando à falta de chuvas a imprevidência governamental. E veio o racionamento, ao qual se denominou de “apagão”, um barbarismo léxico que significava grande apagamento geal das luzes, coisa que durante a Segunda Guerra dera-se o nome de blecaute.
“Barbarismo” é o emprego de palavras estranhas na forma ou na idéia. Quanto à forma, barbarismo é a escrita (ou pronúncia) incorreta do vocábulo; dizer previlégio por privilégio; poblema por problema; mortandela por mortadela etc. Barbarismo quanto à ideia é o uso desnecessário de termos estranhos ou de significação estranha à língua: echarpe por lenço, demarches por entendimento; cast, por elenco etc.)
Quando necessária a palavra nova ela é denominada de neologismo. O termo apagão, se continuar faltando luzes aos que nos governam, com o passar do tempo e novos racionamentos será considerado neologismo, pois seu uso habitual lhe conferiu o status de palavra dicionarizada.
O neologismo é sempre uma palavra nova e pode ser criada na própria língua (apagão do substantivo apagamento) ou adaptada de palavras de outro idioma criada na própria ‘língua' (blackhout ( black – out= escuridão interior - clip=grampo, prendedor de papel – to delete= eliminar, apagar, destruir etc.
A língua, como produto da fala de uma comunidade idiomática é dinâmica, está em permanente elaboração e, por isso, palavras são formadas a todo momento, como “twitter” que é uma rede social de computadores e servidor para microblogs que permite aos usuários que enviem e leiam atualizações pessoais de outros contatos (em textos de até 140 caracteres, conhecidos como "tweets"), através da própria Web, por SMS e por softwares específicos instalados em dispositivos portáteis.
Todavia, as palavras não podem ser “fabricadas” arbitrariamente. Antes de tudo, deve ser necessárias e formadas conforme a estrutura gramatical da língua.
“Apagão” seria um caso de derivação por analogia morfológica. A lei do mínimo esforço acabará criando um novo substantivo, apago como sinônimo de apagamento. Daí apago + o sufixo aumentativo ao = apagão.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 18 de Dezembro de 2017
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)