Cassilândia, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

09/11/2012 07:27

Alcides Silva: Língua portuguesa, inculta e bela!

Alcides Silva

De novo, virgula no Deonel

Por comodismo e até fadiga – pago no entardecer da vida meu tributo ao tabagismo de quatro décadas -, reproduzo artiguete que escrevi em março de 2000. Parece-me ainda atual, embora necessite de pequena atualização em seu final. Vamos a ele:
Aprendemos na escola e na vida, que a vírgula é um sinal gráfico que se coloca entre orações ou partes de oração para indicar uma pausa. Pausa para respirar; uma pausa fraca.
Será?
Vejamos os exemplos:
1º - Ela escreveu para o irmão que mora no Rio.
2º - Ela escreveu para o irmão, que mora no Rio.
Na primeira frase, sem a vírgula, foi criado um limite, uma restrição: o irmão que mora no Rio. Portanto, ela tem mais de um irmão, mas um deles, mora no Rio.
Na segunda, com a vírgula, foi dada uma explicação: o irmão dela, que é o único, mora no Rio.
Parece complicado, mas não é. Vamos aprender juntos:
Na frase ‘Deonel é um jornalista investigativo’, o termo “investigativo” está qualificando o jornalista Deonel, o que, aliás, é uma verdade indiscutível. É uma das características desse valoroso colega do “Jornal de Jales”. Uma qualidade que lhe dá dimensão única. Um adjetivo.
Posso expressar essa mesma idéia de outra forma: ‘Deonel é um jornalista que investiga’. Esse ‘que investiga’ está mostrando também a qualidade do jornalista, tendo, pois, o valor de adjetivo. O ‘que’ dessa frase é um pronome relativo e sua função gramatical é introduzir uma oração subordinada adjetiva.
Esse ‘que investiga’ limita (restringe) o significado do substantivo jornalista. Não são todos os jornalistas, mas aquele que investiga.
É uma oração subordinada adjetiva restritiva.
Deonel não é um jornalista qualquer; é um que investiga.
Nessas duas frases: (Deonel é um jornalista investigativo e Deonel é um jornalista que investiga) não houve o emprego de vírgula.
Alteremos um pouco o exemplo: ‘Deonel, que mora em Jales, é um jornalista investigativo’.
Pode ocorrer que existam dois jornalistas com o mesmo nome, mas estou me referindo ao que mora em Jales. Esse que da oração ‘mora em Jales’ é um pronome relativo e, como vimos acima, introduz uma oração adjetiva. Essa oração ‘que mora em Jales’ explica que o jornalista investigativo Deonel é o que reside naquela cidade.
Portanto é uma oração subordinada adjetiva explicativa.
Percebeu que essa explicação (que mora em Jales) ficou intercalada por vírgula?
Pois bem. Quando a oração for restritiva não se usa vírgula: irmão que mora no Rio – jornalista que investiga, quando explicativa, vem ligada por vírgula.
Resumindo: sem vírgula (jornalista que investiga) cria-se um limite. Podem existir vários jornalistas com o nome de Deonel, mas a oração está restringindo o conceito a um único deles, o que investiga; com vírgula (Deonel, que mora em Jales) dá-se uma explicação. Podem existir várias pessoas com o nome Deonel, mas a oração está se referindo ao que mora em Jales.
Depois, dizem que a vírgula é uma simples pausa, sem muita importância e seu emprego é regido pela sonoridade da frase. Uma ova!
Um lembrete: nunca separe com vírgula o sujeito do verbo e nem o verbo do complemento. É errado escrever-se “A presidenta, vai anunciar o novo salário mínimo” ou “A presidenta vai anunciar, o novo salário mínimo”. Nessa frase não há uma pausa de entonação. Jamais a separe com vírgula, até porque o salário mínimo já anda tão minguado... que qualquer corte, por mais insignificante, até mesmo de uma vírgula, poderá levá-lo “pro brejo”...

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
10:00
Receita do dia
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)