Cassilândia, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

07/10/2010 15:26

Alcides Silva: Língua portuguesa, inculta e bela

Alcides Silva

Idioleto

O comodismo é próprio do ser humano; normalmente aceitamos as coisas como elas nos são apresentadas: é a lei do menor esforço. Daí porque volta-e-meia embarcamos em canoas-furadas, compramos quinquilharias e mezinhas salvadoras, ofertamos contribuições a entidades-fantasmas, caímos no conto-do-vigário, comemos gato por lebre, enfim, somos ludibriados por mera preguiça de pesquisar ou de indagar.
Mas em língua portuguesa, o comodismo de aceitar as palavras e expressões sem se lhes buscar a exata significação, a grafia verdadeira ou a correta pronúncia, faz com que costumeiramente caiamos em erro. A isso se dá o nome de idioleto que é a variação de uma língua única a um indivíduo. É manifestada por padrões de escolha de palavras e gramática, ou palavras, frases ou metáforas que são únicas desse indivíduo. Cada indivíduo tem um idioleto; o arranjo de palavras e frases é único, não significando que o indivíduo utiliza palavras específicas que ninguém mais usa. Um idioleto pode evoluir facilmente para um ecoleto - uma variação de dialeto específica a uma família de indivíduos, como o “Orra meu! Me vê dois pastel e um chopps!”, no sotaque do bairro paulistano da Mooca, típica mistura do português, italiano e espanhol cariocamente satirizado.
Determinado promotor, isso no antigamente da comarca, denunciou um cidadão que teria forçado uma moça a praticar com ele relações sexuais “no fundilho da estação rodoviária de Santa Fé”. Fundilho é a parte das calças correspondentes ao acento. A ‘rodoviária’ da denúncia era a antiga, hoje transformada em paço municipal. Esse mesmo promotor, de outra feita, concluiu seu arrazoado dizendo que estava provado ter o acusado praticado o delito e, por isso, pedia sua condenação “por ato de ‘pulsinânime’ Justiça.” ‘Pusilânime’, dentre outros sentidos, significa ‘fraqueza moral’, ‘covardia’, embora naquela peça de acusação o sentido que se lhe quis dar o troca-letras fosse o de “equânime justiça”... Isso é um idioleto, porque o erro é individual. Se fosse de uso comum pelo povo, chamar-se-ia barbarismo, que é um vício de linguge.
Tenho visto placas indicativas de minhocários e anúncios de jornais apregoarem a venda de humus e ouvido ilustradas senhoras dizerem que utilizam-no em seus vasos e xaxins (a maioria, aliás, pronuncia “xaxinhos”). Em português castiço, puro, a palavra é humo, derivada do latim húmus-i, significando matéria orgânica que dá fertilidade à terra. Mas o povo consagrou a forma húmus e assim permanecerá, porque consentânea com a estrutura da língua. E há uma razão lógica para a arcaização do termo humo. É que em latim existe o verbo transitivo humo – ãs- ãre- ãvi- ãtum- com significado de “enterrar”, “cobrir com terra”, “fazer os funerais de alguém”.
Com o advento do Renascimento, no século XVI, foram traduzidas obras dos grandes escritores latinos e gregos e essas traduções motivaram o aparecimento de palavras que, com pequenas modificações, já haviam ingressado na língua portuguesa, como o nome da matéria orgânica dos vasos e xaxins. Xaxim, porém, é palavra de origem tupi-guarani, nome de um samambaiaçu da mata atlântica. Isso, porém, é assunto reservado aos doutores em gramática histórica ou botânicos.
Mas não é o caso “fundilho” e do “pulsinâmine” do promotor, idioletos que deturpam e desfiguram as palavras. A esses erros também é dado o nome de barbarismo ou peregrinismo, quando deixa de ser individual e torna-se costume linguístico de um grupo. Difere da arcaização, que não é erro, pois restaura o termo primitivo. Constitui barbarismo o emprego de palavras estranhas na forma ou na idéia.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 12 de Dezembro de 2017
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)