Cassilândia, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

02/02/2007 07:27

Alcides Silva - Língua portuguesa, inculta e bela!

Alcides Silva

Língua portuguesa, inculta e bela
Alcides Silva
O dicionário não é a língua

Muitos me contestam porque continuo escrevendo santafessulense, quando o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa determina que se escreva santa-fé-sulense. Mas esse mesmo Vocabulário oficial traz a grafia lapizinho para o diminutivo de lápis. Ora, é sabido, desde o aprendizado das primeiras letras, que as palavras terminadas em s ou z têm diminutivo formado com o acréscimo do sufixo inho: adeus – adeusinho; português, -portuguesinho; cartaz – cartazinho; rapaz – rapazinho. Mas porque lápis, terminado com “s” leva o sufixo zinho? E porque o Estado da Baía tem a grafia oficial Bahia? E o agá da cidade paulista de Jahu? É a ditadura ou comodidade dos dicionários.
Para muita gente, a quase totalidade dos brasileiros, uma palavra só existe se estiver registrada em um dicionário, de preferência no “Aurélio”. Dicionário, porém, não é a língua e nem o modo de se falar. É conjunto de vocábulos de uma língua e não a sua totalidade.
O “Aurélio Século XXI” traz, sem qualquer justificativa ou razão, o adjetivo ‘trifronteirano’ para designar aquele ou aquilo que é, pertença ou se origine de Três Fronteiras. Talvez influência do tricordiano, o natural de Três Corações.
Os dicionários, porém, não criam palavras; registram-nas com base no uso que se faz ou fizeram delas, inclusive no sentido depreciativo: baiano (fanfarrão, pachola, dado a contar vantagens, mulato), ceará (charque, pedaço de carne ruim), espanhol (teimoso), galego (forasteiro atrevido), polaca (prostituta, mulher da vida), turco (mascate, ridico, unha-de-fome, pão-duro) são expressões comuns entre o povo e encontradiças em quase todos os léxicos brasileiros. Todavia, nenhuma foi gerada pelo dicionarista, mas pelo falar contínuo do povo.
Voltemos, porém, ao trifronteirano. Aí não se ateve o lexicógrafo ao falar do povo, da língua certa do povo, como um dia poetou Manoel Bandeira.
Formam-se os adjetivos ditos pátrios (ou locativos) acrescentando-se ao substantivo um sufixo que tenha o sentido de origem ou procedência: ano (cuiabano, tricordiano), ão (alemão, coimbrão), eiro (brasileiro, mineiro), enho (portenho, estremenho> Estremadura, Portugal), eno (chileno, terreno), ense (jalesense, fernandopolense, votuporanguense, cassilandense, chapadense), ês (norueguês, português), eu (europeu, judeu), ino (argentino, triangulino> Triângulo Mineiro) e ita (israelita, semita).
Quem cria as palavras não é a gramática e nem o dicionário: é o povo. A gramática expõe as regras ou normas da língua-padrão; os dicionários consignam os vocábulos da língua, porém nem todos. Língua é o meio de expressão de indivíduos que vivem em sociedade.
O Aurélio Século XXI informa que quem nasce em Artur Nogueira é nogueirense; em Barreira (CE) ou em Barreiras (BA), barreirense; em Limeira, limeirense; em Palmeira d’Oeste, palmeirense; em Pitangueiras, pitangueirense; em Ribeira, ribeirense; em Roseira, roseirense. Todos esses substantivos são terminados com o sufixo eira e formam o locativo com o acréscimo do sufixo ense.
Quem nasce em Três Fronteiras, diz o povo de lá, é trifronteirense e não trifronteirano. Portanto, trifronteirense é o que vale. A opção do dicionário não deve ter sido precedida da necessária pesquisa. Para o provindo da cidade mineira de Jeceaba, o Aurélio anotou o adjetivo jeceabense e deu-lhe como sinônimo jeceabano. Não usou da mesma generosidade para com Três Fronteiras.
O sufixo ense aparece em mais de 95% dos adjetivos pátrios, assim é uraniense, o originário de Urânia; santanense, o de Santana da Ponte Pensa; saletense, o de Santa Salete; rubineiense, o de Rubinéia; santaclarense, o de Santa Clara d’Oeste; santarritense, o de Santa Rita d’Oeste; canaense, o de Nova Canaã Paulista e santafessulense, o de Santa Fé do Sul. A forma da grafia santafessulense sem hífens já a expliquei aqui mesmo nesta coluna. No meu entender, aplica-se também aos adjetivos sul matogrossense e matogrossense do sul.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
Quarta, 07 de Dezembro de 2016
20:20
Loteria
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
03:14
Loteria
Terça, 06 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)