Cassilândia, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

05/04/2005 15:09

Aids: Dentistas ainda temem prestar atendimento

Agência Notisa

Pesquisa mostra que os profissionais que apresentam uma menor disposição para o atendimento de pessoas soropositivas têm medo de sofrer um acidente e contrair a doença.

A representação da AIDS como doença estigmatizante, fatal, que inicialmente se concentrou entre grupos marginalizados da sociedade, resultou em um medo equivocado e muito difundido dentro da população em geral, inclusive entre os profissionais de saúde. Além das preocupações legítimas dos trabalhadores quanto ao risco ocupacional ao HIV, persistem preconceitos que contribuem para aumentar a resistência dos serviços de saúde ao atendimento de pacientes com a doença. Isso é o que mostram pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais em um estudo realizado com 140 cirurgiões-dentistas do Sistema Único de Saúde (SUS) de Belo Horizonte, que buscou verificar os fatores associados a sua reserva para o atendimento de pacientes soropositivos.

A coleta de dados foi realizada em dezembro de 1999 por meio de questionários auto-aplicáveis enviados para os locais de trabalho de cada participante. De acordo com artigo publicado na edição de janeiro/fevereiro de 2005 dos Cadernos de Saúde Pública, “os portadores de HIV/AIDS apresentam uma situação de saúde bucal bastante grave, onde coexistem, com grande prevalência, doenças bucais tais como: cárie e doença periodontal, e os problemas bucais associados à infecção pelo HIV que requerem pronto tratamento e contínuo monitoramento”.

No estudo, os pesquisadores constataram que a proporção encontrada de cirurgiões-dentistas com máxima disposição em atender pacientes com AIDS foi de 55,0%. Os resultados indicaram que os profissionais que apresentaram maior disposição para o atendimento odontológico de portadores da doença tinham uma percepção correta sobre o risco de contaminação ocupacional durante o atendimento odontológico. O mesmo ocorreu entre os dentistas que eram contrários à realização de exame diagnóstico compulsório anti-HIV. “Este resultado revela que o respeito ao paciente, ao cidadão (sigilo, confidencialidade, vínculo e responsabilização) constitui-se fator extremamente importante na relação profissional-paciente, que traz implicações para a questão da assistência odontológica da população e especificamente para pessoas vivendo com HIV/AIDS”, afirmam no artigo. A experiência prévia com pacientes aidéticos também se revelou um aspecto positivo para um melhor atendimento.

Por outro lado, a equipe verificou que os dentistas que relataram história de acidente perfurocortante apresentavam uma menor disposição para o atendimento. Segundo os pesquisadores, esta associação aponta que o medo do contágio é um importante fator associado à disposição dos dentistas para o atendimento: “exposição acidental a material biológico contaminado é sentida como uma situação de ‘risco real’ de contaminação, assim, é compreensível que o dentista que tenha sofrido as apreensões e angústias relacionadas a um acidente perfurocortante tenha declarado menor disposição para o atendimento de pacientes portadores do HIV”.

Dessa forma, os cientistas alertam para a necessidade de programas de educação permanentes para as equipes de odontologia em temas relacionados à epidemia de AIDS, que visem ampliar o acesso e aprimorar a qualidade do atendimento odontológico ofertado aos pacientes.

Agência Notisa (jornalismo científico - science journalism)

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)