Cassilândia, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

03/11/2004 13:33

Agronegócio diversifica pauta de exportações

Famasul Noticías

Nem só os embarques de produtos do complexo soja, carnes e café sustentam a pauta de exportação do agronegócio. Frutas, álcool, suco de laranja, ovos, trigo, material genético e animais vivos também integram a lista de produtos comercializados pelo Brasil no exterior. É verdade que soja, carnes e café responderam sozinhos por de das exportações agrícolas do País no acumulado de janeiro a setembro, comércio recorde que rendeu, no total, US$ 29,863 bilhões em divisas. Mas a pauta diversificada sustenta as exportações e também leva renda ao campo. Os produtores de banana, por exemplo, devem faturar R$ 4 175 bilhões neste ano, mostram cálculos da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil [CNA], rendimento que vem em parte da exportação. Os embarques de frutas comprovam que as vendas de produtos não tradicionais têm crescido. No acumulado dos nove primeiros meses do ano, as exportações de frutas, com exceção da laranja, cresceram 16,2%, representando US$ 230 milhões. A esse valor será somado, até o final deste ano, o faturamento dos primeiros embarques de manga para o Japão, mercado conquistado pelo Brasil depois de uma negociação de 32 anos. Estima-se que as vendas da fruta para o mercado japonês irão render, por ano, US$ 10,4 milhões. Os valores parecem pequenos quando comparados à produção de soja, motor da economia rural, com exportações de US$ 8,728 bilhões no acumulado do ano até setembro. No entanto, produtos não tradicionais, incluídos na pauta de exportação do País nos últimos anos, também contribuíram para que o agronegócio, que deve ter faturamento de US$ 39,101 bilhões em 2005, respondesse por 42,5% das exportações totais do País. NICHOS São várias iniciativas para ganhar o mercado externo. O ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, admitiu que há concentração na pauta de exportação agrícola, mas aposta na diversificação no curto prazo. 'Haverá cada vez mais nichos de exportação dos produtos agrícolas do Brasil', disse Rodrigues, citando as exportações de flores, mel, produtos orgânicos, palmito e frutas. 'Temos um enorme potencial de nichos nos quais podemos crescer muito, principalmente em regiões em que não há agricultura tradicional', disse Rodrigues, apostando nas vendas de pequenos agricultores do semi-árido. Pequenos produtores ligados à cooperativa de Itaberaba, a 226 quilômetros de Salvador, por exemplo, estão exportando abacaxi para a Espanha. Para o chefe do Departamento de Comércio Exterior da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil [CNA], Antônio Donizeti Beraldo, a força da exportação de produtos não tradicionais pode ficar mais nítida em 2005, quando o complexo soja deve perder o fôlego exportador por conta do recuo dos preços internacionais. 'O fato é que a economia do campo não é só soja, carne e café', comentou Beraldo. É assim que pensa do presidente da Fruticultura e Horticultura Empresarial de Minas Gerais [Fruthar], Osvaldo Celestino de Oliveira. Fundada em agosto, uma das s da associação Fruthar é ganhar novos mercados para abóboras, melões e melancias produzidos em municípios mineiros. Entre agosto e dezembro é hora de colher a produção que atenderá à demanda da Argentina, Uruguai e Paraguai por essas frutas, principalmente abóboras. O principal mercado é a Argentina. Oliveira disse que as exportações começaram de forma inusitada. Há oito anos, os argentinos propuseram aos brasileiros o plantio das abóboras em fazendas de Minas Gerais. As baixas temperaturas nos últimos meses do ano impedem a produção em lavouras locais. O coordenador de Proteção de Plantas da Secretaria de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, José Geraldo Baldini, calculou que os produtores de Minas Gerais exportarão, em 2004, 48 mil toneladas de abóboras, melões e melancias, vendas que renderão pouco mais de R$ 36 milhões. Baldini disse que 80% do faturamento vem das abóboras. Não com a mesma agressividade das grandes agroindústrias exportadoras, os produtores mineiros também querem mais. 'Trabalhamos para que os municípios de Matias Cardoso, Manga e Jaíba sejam reconhecidos como área livre de uma espécie de mosca das frutas', comentou o chefe do serviço vegetal da Delegacia Federal de Agricultura de Minas Gerais, Francisco Roberto de Pinho. Essa certificação é fundamental para a abertura do mercado americano para o melão mineiro. 'Quanto mais compradores, melhor', disse o presidente da Fruthar. Os americanos importam fruta produzida em Mossoró, no Rio Grande do Norte.


Autor:
Ag. Estado

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 07 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
03:14
Loteria
Terça, 06 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
09:00
Maternidade
Segunda, 05 de Dezembro de 2016
21:32
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)