Cassilândia, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

31/10/2006 12:54

Aftosa ainda penaliza cadeia da carne na região sul

Sandra Luz e Fernanda Mathias / Campo Grande News

Um ano após a confirmação de um foco de febre aftosa no município de Eldorado, 435 quilômetros de Campo Grande, pecuaristas que atuam em propriedades de grande e pequeno porte ainda sofrem as conseqüências econômicas do problema. O mercado local também absorve o impacto do foco, que prejudicou toda a cadeia bovina da região.

Leando Carlos Lopes revelou ao Campo Grande News que só conseguiu se manter porque tem uma farmácia, mas confessa que não sabe para quem foram piores as conseqüências do foco: aos pecuaristas que tiveram o gado abatido, ou aos que tiveram que manter o manejo dos animais.

No caso de Lopes, que tem uma propriedade em Eldorado, os 1,5 mil animais continuaram no pasto, sem a possibilidade de venda, que era feita entre 50 e 80 cabeças ao mês. O pecuarista explica que, além do aspecto econômico, a categoria sofre com os efeitos psicológicos do foco, diante das expectativas de recuperação do mercado.

Se para os grandes produtores os efeitos do foco foram ruins, para os pequenos foram desastrosos, como descreve Sebastião de Souza. Na sua propriedade 90% do gado, exatamente 360 animais foram abatidos. A indenização ao produtor foi pequena, fato que ele define como resultado de uma sub-avaliação do gado e que teve um impacto dramático à economia do produtor, que está sem crédito na praça e impedido de comprar insumos. Souza revela que o dinheiro do programa bolsa-leite foi insuficiente para repor as perdas.

O pecuarista explica que sempre vacinou o rebanho e observou a imunização de gado e aldeias indígenas de Japorã, comportamento que o leva a questionar a origem da aftosa na região que, segundo ele não recebeu animais vindos do Paraguai. O diretor-presidente do Iagro (Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal) João Caballero descarta ineficácia da vacina e explica que pode ter ocorrido problemas de acondicionamento do produto, ou manuseio inadequado.

Sem uma explicação oficial para a origem do fato, a cadeia produtiva bovina na região demonstra sinais de esgotamento. Conforme o comerciante Luiz Vicente de Oliveira, dono da empresa Agrocampo, alguns comerciantes não pagam desde a origem do foco, há um ano. Na falta de opção para receber, ele chega a fazer permutas com os clientes, que considera importantes para manter-se no mercado.

O alívio na região só chegou há 40 dias, explicou o comerciante, quando a venda dos animais foi liberada para dentro do Estado. Na ocasião, ressaltou, os pecuaristas estavam no limite.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)