Cassilândia, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

17/07/2007 18:44

Acusados de matar bancária se contradizem

TJGO

Interrogados hoje (17) pelo juiz Sílvio José Rabuske, da 1ª Vara Criminal de Aparecida de Goiânia, três dos quatros acusados pela morte da bancária Michellyne Rocha Araújo Fernandes, ocorrida em 13 de junho, no Jardim dos Ipês, entraram em contradição, negando participação no crime ou transferindo a responsabilidade para os co-réus. Denunciado por ter sido o agenciador do crime, Antônio José Pereira de Souza está foragido e não compareceu à audiência, que durou cerca de três horas e teve a participação do promotor Maurício Gonçalves de Camargo, titular da 5ª Promotoria da comarca, com ofício junto à 1ª Vara Criminal.

Primeiro a ser interrogado, Erasmo Nascimento de Souza detalhou o plano para render a vítima e disse ter sido agenciado por Antônio que, na ocasião, contou-lhe que o crime fora encomendado pelo gestor esportivo Arlindo dos Santos Fernandes, ex-marido de Michellyne. Erasmo disse ter recebido R$ 1 mil pelo seu trabalho que, segundo garantiu, resumiu-se a monitorar a vítima dias antes do fato e ajudar Alessandro Wesley Rodrigues dos Santos a rendê-la no momento em que ela chegava em casa. Ele disse ter sido Alessandro o responsável pelo estupro e enforcamento de Michellyne, bem como pelo incêndio no carro onde o corpo dela foi encontrado carbonizado. Por sua vez, Alessandro começou a responder ao interrogatório negando as acusações do Ministério Público (MP) mas, no decorrer da audiência, entrou em contradição ao admitir que foi contratado por Antônio para matar a bancária. Afirmando que o valor combinado pelo serviço era superior a R$ 1 mil - quantia que recebeu logo após a execução - ele contradisse a versão de Erasmo ao informar que, chegando ao local do crime, parou o carro, jogou a chave no chão e saiu correndo, deixando a vítima viva na companhia de Erasmo.

Marido

Já Arlindo negou qualquer participação no fato, sob alegação de que estava viajando na ocasião e não tinha tanto interesse em reatar com Michellyne. Segundo relatou, o padre da igreja a que freqüenta era quem, por questões de convicção religiosa, vinha incentivando o casal a voltar o relacionamento, por ser contrário ao divórcio. Arlindo também negou que tivesse sido um marido possessivo e violento.

Para o promotor Maurício Gonçalves, as declarações do gestor esportivo poderão demonstrar futuramente que ele é uma pessoa dissimulada - "o tipo de pessoa capaz de contratar gente para cometer assassinato" - caso as testemunhas que conviviam com a família confirmem, em juízo, a versão que apresentaram durante a fase inquisitorial, quando garantiram que ele estava inconformado com o fim do casamento, era agressivo e tinha muito ciúme de Michellyne.

Caso

De acordo com a denúncia do Ministério Público (MP), Michellyne foi casada com Arlindo por quatro anos e se separou dele no ano passado em razão do comportamento violento e possessivo do marido. Diante da resistência dele em aceitar o divórcio, a bancária decidiu propor uma ação de separação litigiosa, enquanto Arlindo insistia em reatar a relação. Constatando que não teria êxito, o gestor esportivo decidiu, então, matá-la.

Depois de uma primeira tentativa frustrada, contratou Antônio para localizar dois executores. Após concordarem em assassinar a bancária, Erasmo e Alessandro foram informados do local onde ela morava e de seus hábitos. Passaram a monitorar Michellyne e, no dia do crime, a abordaram no momento em que a vítima estacionava o carro na garagem da casa dos pais. Sem esboçar reação, a vítima foi levada até um local isolado no Jardim dos Ipês, onde Erasmo a estuprou, enquanto Alessandro tomava as providências para atear fogo ao veículo.

Ainda segundo a promotoria, os dois denunciados se revezaram no enforcamento da vítima e quando as chamas começaram a se alastrar, a dupla fugiu do local, tendo o corpo da bancária sido encontrado, carbonizado, no dia seguinte. A identificação dos acusados do crime foi facilitada pelo fato de que, no dia em que a vítima foi levada, dois policiais militares notaram Erasmo e Alessandro próximos à casa dela e os abordaram, por considerar que estavam em atitude suspeita. Antes de liberá_los, os PMs anotaram seus dados, incluindo os endereços. (Patrícia Papini)

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
Quarta, 07 de Dezembro de 2016
20:20
Loteria
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
03:14
Loteria
Terça, 06 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
09:00
Maternidade
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)