Cassilândia, Sábado, 24 de Junho de 2017

Últimas Notícias

22/08/2007 05:45

Acusados de estupro são condenados a 21 anos de prisão

TJMT

O juiz da comarca de Ribeirão Cascalheira, Anderson Candiotto, condenou a 21 anos de prisão em regime fechado dois homens acusados de roubar uma família e estuprar a dona da casa, expondo a vítima ao contágio de doenças venéreas. A decisão foi proferida nesta terça-feira (21 de agosto). O caso ocorrido em agosto do ano passado provocou grande comoção na cidade, que fica a 960 quilômetros de Cuiabá. Na época, a população tentou linchar os acusados, logo após a prisão dos mesmos.



Um dos réus, que além do roubo praticou o estupro, foi condenado à pena privativa de liberdade de 21 anos e sete meses em regime fechado e mais 280 dias-multa e o co-réu, que participou do crime de roubo, também foi condenado a 21 anos e três meses de reclusão, além da multa de 280 dias.



O Ministério público acusou os agressores de roubo mediante violência e ameaça (previsto no art. 157 do Código Penal); de expor a vítima, por meio de relações sexuais ou qualquer ato libidinoso, a contágio de doença venérea (art. 130 CP) e estupro (art. 213 CP) (processo no 79/2006).



Na noite do dia 05 de agosto de 2006 os denunciados chegaram à residência de uma família sediada na zona rural do município de Bom Jesus do Araguaia-MT. Mediante violência e grave ameaça, com emprego de armas e privação temporária da liberdade das vítimas, retiraram diversos bens da família e praticaram conjunção carnal com a mulher, tendo um deles, declarado ser portador de doença venérea.



Um dos acusados contou em depoimento ao juízo que bebeu um litro de aguardente e recebeu um ‘convite’ do outro acusado para roubarem uma casa da região. Eles pegaram um cano de espingarda sem a coronha e uma faca. Escolheram a casa, renderam a vítima e o filho dela. Eles mandaram que se deitassem no chão e amarraram os dois. Deixaram o rapaz na sala e levaram a mulher para o quarto para procurarem jóias e dinheiro.



O irmão da vítima chegou nesse momento de moto, foi rendido e também amarrado. O primeiro alegou que a idéia de estuprar a mulher foi do outro acusado, mas disse que estava muito alcoolizado. Ele confirmou ter sífilis e hepatite e afirmou não ter certeza se possui o vírus HIV (transmissor da Aids).



O segundo acusado confirmou o roubo à casa, as ameaças, mas disse que não imaginou que a vítima seria estuprada pelo colega e se soubesse não teria deixado, porém, quando entrou no quarto o ato já estava consumado. Ele disse que nesse momento estava arrumando os sapatos da vítima para levá-los consigo e que não ouviu nada.



Os acusados foram presos em flagrante no dia seguinte ao crime. A vítima confirmou o estupro, dizendo que foi ameaçada com uma faca nas costas. Segundo ela, um deles estava com uma espingarda e outro portava duas facas grandes. O irmão da mulher, que chegou durante o assalto, foi agredido com chutes e era ameaçado de morte a todo momento.



A vítima de estupro passou por exames para detectar se houve contaminação pelas doenças venéreas. Todos deram resultado negativo. Ela aguarda o resultado do segundo exame para soro reagente de HIV.



De acordo com o juiz Anderson Candiotto não há provas de que o acusado tinha a intenção de transmitir as doenças venéreas à vítima, conforme defendeu a Promotoria de Justiça. “O que se verificou foi a vontade livre e consciente de satisfazer a sua lascívia mediante submissão violenta da vítima”, afirmou.



O magistrado baseou-se no tipo penal previsto no artigo 213 do Código Penal, ‘constranger mulher a conjunção carnal, mediante violência ou grave ameaça’ e lembrou que não importa se a mulher é solteira, casada, virgem ou não. “Trata-se da violência real. A violência moral é aquela que age no psíquico da vítima, cuja força intimidatória é capaz de anular sua capacidade de querer. Na grave ameaça, o dano prometido deve ser maior que a própria conjunção carnal, não tendo a vítima outra alternativa senão ceder à prática do ato sexual”, lembrou o magistrado. Como conseqüência foi gerado trauma psicológico na mulher já que se viu sob a suspeita de contaminação de diversas doenças, bem como AIDS.



O juiz Anderson Candiotto lembrou do grau elevado de reprovação social da conduta do agente. O caso causou grande repercussão na cidade, moradores queriam linchar os acusados, em especial aquele que sabia ser portador de doença venérea de longa data e expôs a vítima a perigo de contágio, sem qualquer precaução para inibir a situação de perigo.



Texto de autoria de Lídice Lannes

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 23 de Junho de 2017
Quinta, 22 de Junho de 2017
10:00
Receita do Dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)