Cassilândia, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

29/06/2006 22:10

Acusado de mandar matar Dorothy Stang será solto

STF

Por três votos a dois, a Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) concedeu Habeas Corpus (HC 87041) ao fazendeiro Regivaldo Pereira Galvão, acusado de mandar matar a missionária Dorothy Stang. Os ministros Marco Aurélio e Sepúlveda Pertence acompanharam o voto do relator, Cezar Peluso que determinou a soltura imediata do réu, se não estiver preso por outro motivo.

Peluso argumentou que a prisão processual não pode ser encarada como pena e que é medida extrema que implica sacrifício à liberdade individual. O ministro rebateu todos os fundamentos apresentados pelo juiz, na decretação da prisão, que se apoiou na necessidade de garantia da ordem pública, em razão da gravidade do delito e conseqüente comoção provocada no meio social.

O relator ressaltou que a gravidade dos fatos como forma de justificar o decreto de prisão preventiva “sempre repugnou a esta Corte”. Ele acrescentou que “aceitar a comoção como justificativa hábil à decretação da prisão preventiva significa antecipar, para a prisão processual, funções que são próprias e inerentes à pena de prisão, sanção que somente pode ser imposta por decisão condenatória com trânsito em julgado”, disse.

Peluso assinalou, ainda, que no caso, parece haver hipervalorização da prisão, enquanto instituto capaz de restituir a paz pública. “É preciso registrar que a prisão processual, embora um mal em si, não pode ser encarada como pena, com finalidade de prevenção, nem tampouco com ares de vingança, em um sistema onde vigora a presunção de inocência”, observou o ministro.

Quanto ao argumento da necessidade de garantia da ordem pública, em razão do clamor social provocado pelo crime, o ministro Cezar Peluso disse que é jurisprudência “imperturbável” do STF que esse fundamento não é idôneo à decretação da prisão preventiva. “A idéia de revolta da população como fonte legitimadora da prisão cautelar nunca foi tolerada pelo Supremo Tribunal Federal”, concluiu o ministro.

Sepúlveda Pertence, que seguiu o entendimento do relator, afirmou que a prisão preventiva é medida de estrita excepcionalidade e, indiscutivelmente, a mais “violenta” no processo pois acarreta todos os males do encarceramento. Disse que o juiz, na pronúncia, reforça a existência de indícios veementes de participação do réu no crime, o que causa revolta, “mas efetivamente este é um tribunal que tem compromisso com as teses que enuncia e eu não posso, embora sabendo o que vai sofrer o tribunal em razão dessa decisão, eu não posso desviar-me, pela repercussão do caso, dos princípios que tenho enfatizado em torno de anônimos criminosos”, observou Pertence.

O ministro Marco Aurélio também votou com o relator afirmando que a ilicitude da prisão preventiva já se prolonga no tempo por um período extravagante.

Divergência

O ministro Ricardo Lewandowski abriu divergência argumentando que houve a superveniência da sentença de pronúncia e que nessa sentença o juiz de primeiro grau acresce uma série de novos argumentos reforçando os indícios de autoria como também sublinha a periculosidade do paciente e a possibilidade de interferência no processo criminal. “Eu estou entendendo que não só há novos fundamentos para a prisão agora do paciente como também ela se dá por um novo título que é a sentença de pronúncia”, disse Lewandowski que votou pela não concessão do habeas.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
Quarta, 07 de Dezembro de 2016
20:20
Loteria
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)