Cassilândia, Sexta-feira, 24 de Novembro de 2017

Últimas Notícias

23/10/2017 17:15

Acordo prevê 4 meses para governo e JBS definirem ressarcimento

Mayara Bueno, Leonardo Rocha e Osvaldo Junior, Campo Grande News

Depois da homologação do acordo entre o Governo de Mato Grosso do Sul, Assembleia Legislativa e JBS, uma 'trégua' de quatro meses vai permitir que o Estado e empresa concluam a análise de quanto deve ser devolvido aos cofres estaduais.

Na semana passada, após a paralisação do abate nos sete frigoríficos que a empresa mantém em MS, o governo, juntamente com a CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) que investiga incentivos fiscais concedidos na casa de leis, e a JBS, chegaram a um acordo.

O compromisso garante a retomada das atividades - prevista para terça-feira, dia 24 -, desbloqueio dos R$ 730 milhões e a manutenção dos investimentos previstos no Estado. Em contrapartida, a JBS precisa disponibilizar um bem no valor do bloqueio como garantia.

"Esse acordo dará segurança ao Estado sobre o recebimento e depois será auferido o que a empresa deve ressarcir e ela prometeu pagar", afirmou o governador Reinaldo Azambuja (PSDB), nesta segunda-feira, dia 23, durante evento sobre incentivos fiscais na Fiems (Federação das Indústrias).

A PGE (Procuradoria-Geral do Estado) vai encaminhar a minuta com os itens ao juiz Alexandre Antunes, autor da decisão que bloqueou os valores da empresa.

Conforme o presidente da casa de leis, deputado Junior Mochi (PMDB), a intenção é que uma audiência com o magistrado valide o acordo entre as partes.

A partir de então, a JBS vai ter 120 dias para fazer uma auditoria externa, que deve chegar ao valor que precisa ser repassado ao governo. Os valores referem-se ao que a empresa deixou de investir em contrapartida aos benefícios fiscais que recebeu ao longo do tempo.

No fim dos quatro meses, empresa e governo vão chegar a um valor, que deve ser pago de forma parcelado. Ainda de acordo com o presidente, uma empresa chamada KPMG foi contratada pela JBS.

Histórico - O acordo aconteceu depois que a CPI que investiga incentivos fiscais na Assembleia conseguiu na Justiça o bloqueio de R$ 730 milhões da empresa. Como reação, trabalhadores protestaram com medo de perder seus empregos e a JBS, então, suspendeu as atividades no Estado.

A comissão continua com a investigação, assim como o governo estadual. A empresa questiona o valor, mas promete pagar o montante devido em virtude da falta de investimento.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 24 de Novembro de 2017
Quinta, 23 de Novembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quarta, 22 de Novembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)