Cassilândia, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

24/08/2010 07:21

A vida de Jânio Quadros será tema da minissérie

Assessoria

Depois da minissérie da Globo sobre a vida Juscelino Kubitschek e do filme sobre a
vida do presidente Lula, agora é a vez de Jânio Quadros, um dos mais controvertidos
líderes nacionais, ter a sua vida esmiuçada no cinema e na TV. Com uma previsão de
orçamento de R$12,8 milhões, o pesquisador e escritor Nelson Valente e o ator e
diretor Paulo Figueiredo estão trabalhando nos capítulos de uma minissérie, além de
um roteiro para o cinema.

Tanto a série quanto o filme focarão principalmente o episódio - até hoje
controverso - da renúncia. Segundo Valente, que trabalhou com Jânio e escreveu 12
livros sobre a vida do político, exi stem mais de 20 versões para o ato, mas ninguém
sabe a verdadeira razão. O pesquisador promete revelar a correta na minissérie, que
terá 12 capítulos e, se tudo der certo, começará a ser gravada em agosto. “Jânio não
gostava de ser contrariado e quando isso acontecia, ameaçava renunciar “, diz.
Já há nomes cotados para os papéis. Alguns deles, no entanto, dependerão da
aprovação da emissora de TV que produzirá a série. No páreo, segundo o biógrafo,
estão a Record e a Globo. Mas ele garante que as negociações com a emissora da Barra
Funda (zona oeste de São Paulo) são as que estão mais avançadas. Na Globo, o
interesse teria partido do diretor Guel Arraes, filho do político Miguel Arraes,
que, em 1961, após a renúncia de Jânio, defendeu a posse do vice-presidente João
Goulart, não desejada pelos militares.

O próprio Nelson é o mais cotado para interpretar Jânio. Por trabalhar muito
próximo ao presidente, ele incorporou os tiques e o modo de falar do político. Ele,
inclusive, gravou, na mensagem da secretária eletrônica do seu celular, um recado
imitando a voz de Jânio Quadros. Mas Nelson, que também é ator, diz que sua maior
preocupação é de escolher alguém que não faça um presidente caricato. “Ele (Jânio)
trabalhava a sua imagem no fio da navalha, entre o inusitado e o bonachão.”
Paulo concorda e, por isso, tem pressa para definir o Jânio da ficção. “A escolha do
elenco e do diretor praticamente ficam engessadas na escolha da emissora.” Para o
papel principal, são cogitados também Paulo Betti, que, em JK, interpretou José
Maria Alkmin; além de Marcelo Anthony e Rodrigo Santoro.
Já para interpretar Che Guevara, condecorado pelo presidente na Guerra Fria, está
cotado Thiago Lacerda, e para fazer o Senador Afonso Arinos, o ator Carlos Vereza.
Saulo Ramos, que foi oficial de gabinete de Jânio e ministro da Justiça no governo
de José Sarney, será o consultor do filme e da minissérie. Na direção, o nome mais
falado é Alexandre Avancini. “Existem várias versões para a renúncia, a que eu mais
gosto é a de que Jânio desistiu da presidência porque não gostava da comida do
Palácio”, brinca Nelson.

O escritor, no entanto, adiantou para a reportagem o que será mostrado na série. “A
carta foi escrita cinco dias antes da entrega e datada com o dia 25 de agosto, Dia
do Soldado. Ele não queria renunciar. Queria apenas chantagear o Congresso. A carta
foi entregue ao ministro da Justiça Oscar Pedroso Horta, na casa do empresário José
Ermírio de Moraes. Auro Soares de Moura Andrade recebeu uma fotocópia do documento,
que foi lido no Congresso pelo deputado Gustavo Capanema”, explica Nelson.
“Mostraremos que as ‘forças terríveis” eram a igreja católica, os americanos e o
Congresso Nacional.” Passagens curiosas serão mostradas e mitos folclóricos,
desfeitos, como as antológicas frases: “Fi-lo porque qui-lo”, atribuída a ele para
justificar a renuncia(na realidade, a frase correta foi ‘Fi-lo porque quis’, segundo
Nelson); e “Bebo porque é líquido, se fosse sólido, comê-lo-ia”, sobre o porque
tomou bebida alcoólica durante a candidatura ao governo do Estado. O autor reforça
que Jânio tinha obsessão por renunciar e, por várias vezes, nos cargos de prefeito e
governador de São Paulo, escreveu cartas de renúncia. Nelson também não faz suspense
sobre a última frase da minissérie. Será Jânio amaldiçoando a capital federal.
“Brasília, cidade maldita. Nunca mais porei os pés aqui. Este Congresso não
representa o povo brasileiro”, teria dito .

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 10 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 09 de Dezembro de 2017
09:09
Cassilândia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)