Cassilândia, Domingo, 28 de Maio de 2017

Últimas Notícias

26/06/2013 08:00

A sustent-habilidade!

Felipe Bottini*

Há quase 30 anos, em 1987, na Comissão Brundtland, definiu-se o termo sustentabilidade que resume-se em algo como “desenvolver-se sem tirar as condições das gerações vindouras de o mesmo realizarem”. Tanto tempo depois, onde chegamos? O que é desenvolvimento sustentável? Como medir? Alguém responda, por favor! Pois é, está faltando habilidade pra nossa sustentabilidade.

Adicione-se a isso fatores dinâmicos tais como, mudança de preços relativos de alimentos, crescimento da população global em 40% desde que o termo foi cunhado, Reunificação da União Soviética; Separação de Eritreia da Etiópia; Reunificação da Alemanha (1990) e fim do Apartheid (1990) Guerra do Golfo; (1990);Guerra da Chechênia (1994); Guerra da Bósnia (1995); Segunda Guerra do Congo (1998); 3,8 milhões de mortos no que ficou conhecido com a Guerra Mundial Africana; Genocídio de Ruanda (1994); Afeganistão (2001); Iraque (2003) Síria (2011);; - apenas para citar alguns.

Não dá pra negar que o mundo é outro hoje e continuar perseguindo a sustentabilidade concebida há tanto tempo é um equívoco. Aliás, essa sustentabilidade não existe além do conceito. A organização global avançou em termos sociais e ambientais nos últimos anos e não porque se busca a sustentabilidade, mas porque algumas sociedades tiveram a habilidade de entender que vivemos em um mundo onde, apesar de uma vida não ter preço, tem custo.

O principal aspecto a compreender é o de como valorar os custos implícitos que são indevida e indistintamente pagos por todos e direcioná-los aos seus verdadeiros responsáveis. Difícil? Não! O que é um crédito de carbono senão um instrumento que permite a transferência de propriedade do direito de emissões? Ou seja, a precificação de uma externalidade negativa pela sua evicção?

O que é uma medida de compensação ambiental senão uma forma de tangibilizar uma perda ou risco ambiental iminente através de uma ação mensurável? Sem querer exaurir todos os exemplos, prometo ser esse o último: o que é a proibição do fumo em locais públicos senão impedir que a saúde de não-fumantes, ou fumantes passivos, se torne em custo para toda a sociedade em virtude do mal hábito de alguns?

Assim, a sustentabilidade deve ter objetivos específicos que a possam medir. Qual o custo de não ser sustentável? Sobre quem recai e sobre quem deveria recair? Uma vez respondidas essas perguntas haverá como realocar os custos aos seus verdadeiros responsáveis. E, para isso acontecer, não adianta esperar que o senso de responsabilidade corporativa moderna seja suficiente. Há que haver regulação.

Assim, promover a sustentabilidade é uma obrigação do Estado, pois passa por redistribuir recursos e ônus entre os diferentes cidadãos e não é possível que a iniciativa privada promova isso por si só. Não é esse o papel da iniciativa privada na organização econômica em que vivemos.

Daí decorre a conclusão natural que qualquer que seja o esforço de uma corporação em busca da sustentabilidade, o objetivo maior é o resultado de marketing que isso pode gerar. Isso não é errado, ao contrário, já que procuram ocupar um espaço em que a sociedade não conseguiu se fazer presente como deveria para com seus cidadãos.

Entretanto, essa tentativa de promover a sustentabilidade é insustentável, pois só funciona enquanto interessar ao capitalista, e não raro, vai deixar de interessar. Piores são os casos daqueles que nem sequer promovem qualquer ação e promovem malabarismos de comunicação e marketing para demonstrar o compromisso com o meio ambiente pelo simples fato de atenderam à lei. Barbaridade, mas que acontece diariamente.

Essa reflexão nos leva à conclusão que a sustentabilidade é algo muito mais profundo e complexo que uma embalagem reciclável. E não me venham com a conversa de que pelo menos estamos fazendo alguma coisa.

Para se almejar a sustentabilidade há pré-requisitos: maturidade do representante popular e também do representado; avançado senso de cidadania e responsabilidade; clareza regulatória, ambiente democrático, instituições com mandato e mecanismos de apelo funcionais, etc. Há que se desenvolver diversas habilidades. Só assim poderemos almejar a sustent-habilidade.

Felipe Bottini é economista pela USP com especialização em Sustentabilidade por Harvard. Fundador da (www.greendomus.com.br) e da (www.neutralizecarbono.com.br) e Consultor especial do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento - PNUD.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 28 de Maio de 2017
Sábado, 27 de Maio de 2017
10:00
Receita do Dia
Sexta, 26 de Maio de 2017
10:01
Cassilândia
10:00
Receita do Dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)