Cassilândia, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

24/12/2008 08:56

A número 500: Língua portuguesa, inculta e bela!

Alcides Silva

Esta é a coluna de número 500. Surgiu de uma conversa com Chico Melfi, Grão-Mestre da imprensa regional, durante o prenúncio de um temporal nas vésperas natalinas de 1998. Por mera curiosidade, vale transcrevê-la:
“Céus de relâmpagos
Choveu forte na manhã de quinta-feira passada, em Santa Fé do Sul. Trovões ribombavam nos ares, raios coriscavam os céus e relâmpagos corriam rápidos no firmamento, tudo a pôr medo em crentes e descrentes. Chico Melfi, aqui na redação, previa que seu provedor de Internet sofreria as conseqüências dos raios. E a Melfinet ficou mesmo fora do ar até às 3,30 horas da madrugada de sexta-feira.
Aí veio a pergunta: Está relampeando ou relampadeando? Relampejou ou relampagueou? Como conjugar o verbo que indica uma ação rápida de descarga elétrica entre duas nuvens e que geralmente precede o ruído de um trovão?
Antenor Nascentes (“Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa”, 2ª tiragem da 1ª edição, Livraria Acadêmica, Rio, 1995, p .439) diz que a palavra relâmpago deriva-se de “relâmpado”, conforme encontra-se nos “Lusíadas” V, 16, VI, 78 e 84. A Academia Espanhola deriva de relâmpago e de re e lampo, do latim lampare, brilhar. No italiano é lampo, sem prefixo, nem sufixo. A raiz lamp vem do grego lâmpo, brilhar (cf. lâmpada).
Etimologicamente, as quatro formas verbais estão absolutamente corretas, embora a pronúncia de alguma possa aparecer pedante: relampadejar, relampadear, relampear, relampejar.
==============
O ex-prefeito Paulo Maluf teve seu nome ligado à divulgação de um dossiê, tido como falso, cuja papelada mostraria a existência de uma conta bancária nas ilhas caribenhas em nome de Fernando Henrique Cardoso, Mário Covas, José Serra e o finado Sérgio Motta, coisa envolvendo a espantosa quantia de US$ 380 milhões. Nestes tempos bicudos (será que vai sair o décimo terceiro?), é dinheiro que ladrão algum acaba.
A Eucatex, empresa de Maluf, teria pago R$ 4 milhões para ter acesso àquela documentação. Perguntado pela imprensa, o pepebista saiu-se com esta: “o dossiê é eventualmente falso...”.
Perdeu na compra daqueles papéis fajutos e claudicou no vernáculo.
O advérbio eventualmente, significa coisa que depende de um acontecimento, de um evento, que é incerto. O dossiê é ou não é falso. Ele não pode ser falso hoje, e amanhã, dependendo de um acaso, não o ser. Uma moça pode ser supostamente virgem, mas não eventualmente virgem e ligeiramente grávida.
Maluf cometeu um erro muito comum: usar o advérbio eventualmente no lugar de supostamente.
=================
O presidente da Associação Comercial e Industrial de Santa Fé do Sul, Kalil Rahal, em entrevista à Rádio Dinâmica, lamentava a ação de vândalos que, mal instalada a iluminação natalina no centro da cidade, quebraram inúmeras minilâmpadas, destruindo conjuntos que são interligados em árvores. E disse Kalil: “Ainda não se sabe quem foram os destruidores”. Imediatamente questionaram-me sobre aquele interrogativo “quem” e o verbo ser no plural.
Apesar de libanês, corretíssima a construção verbal do presidente da ACISFIS.
Quando fazemos uma pergunta o verbo ser concorda com a palavra subseqüente: “Quem sou eu?” “Quem somos nós?” Daí o “quem foram os destruidores”, dito pelo Kalil.
Não confundir porém o verbo ser com o verbo ir. “Quem são vocês? (verbo ser, plural); Quem foi aos jogos (verbo ir, no singular).
Exceto o verbo ser, todos os demais concordam na terceira pessoa do singular com o pronome interrogativo quem: “Na poda das árvores em frente à Rádio, quem jogou os galhos na rua?”. Sou testemunha de que não foi meu amigo Arlindo Sutto. “Quem trocou as lâmpadas da Cohab?” Quem pintou as guias de sarjeta do Centro?”.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 18 de Dezembro de 2017
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)