Cassilândia, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

12/11/2004 10:06

A história de Carlos Alberto na Seleção Brasileira

CBF News

Carlos Alberto Torres foi um capitão que soube se fazer respeitar. Em uma Seleção Brasileira que tinha Pelé, Gérson, Piazza, jogadores experientes e líderes em seus clubes, Carlos Alberto recebeu a braçadeira numa excursão à Europa, em 1968 (o treinador era Aymoré Moreira) e a manteve até a consagração no dia 21 de junho de 1970. Depois da goleada de 4 a 1 sobre a Itália, no Estádio Azteca, no México, o capitão do tricampeonato ergueu a Taça Jules Rimet que a Seleção Brasileira por direito acabara de conquistar definitivamente.

- Acredito que o meu temperamento extrovertido, de falar as coisas abertamente, contribuiu para que eu fosse o capitão de uma Seleção Brasileira cheia de craques e jogadores com espírito de liderança. Mas o que determinou mesmo isso foi o fato de eu ser também o capitão do Santos, na época o maior time do mundo - conta Carlos Alberto.

A cena que aconteceu na Tribuna de Honra no Estádio Azteca o emociona até hoje. Carlos Alberto diz que, naquele momento, pôde experimentar o orgulho que ele, quando garoto, viu Belinni e Mauro viverem na Suécia e Chile, respectivamente. Mas nem nos melhores dos seus sonhos, imaginou que seria tão empolgante - afinal, ele estava representando a Seleção que acabara de recuperar o respeito no mundo.

- O futebol brasileiro estava desacreditado depois do fracasso de 1966, na Copa da Inglaterra. Então, aquele foi um momento especial. Antes da final contra a Itália, fiquei imaginando como seria a minha reação. Chegou na hora, quando recebi a taça, não consegui pensar em nada. É uma alegria que não dá para comparar nem descrever - conta.

Carlos Alberto Torres tinha 14 anos em 1958. Lembra bem do time que foi campeão mundial na Suécia. Assistiu em vídeo-teipe aos jogos do bicampeonato no Chile, em 1962, e acompanhou atentamente as campanhas do tetra, em 1994, e do pentacampeonato, em 2002. O que lhe dá a convicção de afirmar que a equipe de 1970 foi a melhor Seleção Brasileira da história.

- A Seleção de 1958 era espetacular. Mas o time de 70 não tomava conhecimento dos adversários, desde as Eliminatórias venceu os jogos por goleada. Aquele time não deixava dúvida, entrava em campo para ganhar, e ganhava. Além disso, naquela época, a Copa do Mundo reunia as melhores seleções do mundo de verdade, não havia adversário fácil - conta.

A Seleção Brasileira que Carlos Alberto considera a melhor de todos os tempos começou a ser formada em 1969, por João Saldanha. O jogador conta que Saldanha teve a inteligência - e o mérito - de convocar a base do Santos para formar o grande time que se classificou invicto nas Eliminatórias. Mas Carlos Alberto aproveita para fazer justiça a Zagallo, o técnico que substituiu Saldanha.

- Claro que o João Saldanha foi importante na campanha do tri. Mas dizer que o Zagallo pegou o time pronto é injustiça. O Zagallo foi fundamental na conquista, mudou a escalação e o esquema tático - conta.

Nas mudanças feitas por Zagallo, Carlos Alberto cita o deslocamento de Piazza para a zaga, a efetivação de Clodoaldo no meio campo e a entrada de Rivelino, para desempenhar o papel de ponta recuado e ajudar o meio-campo.

- O time já jogava também em bloco, como hoje se diz que é o ideal, dentro do esquema tático traçado pelo Zagallo. Recuava quando perdia a bola e atacava com seis, sete. Eu, mesmo, atacava o tempo todo - conta.

Foi atacando dessa maneira que Carlos Alberto se consagrou na final contra a Itália. Foi dele o gol que selou a vitória de 4 a 1, num lance que o lateral-direito descreve com detalhes. Ele revela que por pouco o gol esteve ameaçado de não sair, se a jogada que começou com Jairzinho não fosse parar nos pés de Pelé.

- Faltavam dois minutos para o jogo terminar. Eu estava cansado, parado na linha do meio-campo e sem gás para avançar. Quando o Jairzinho dominou a bola, pensei, não vou mesmo, porque ele vai tentar o lance individual, que era uma característica dele. Acontece que ele adiantou um pouco a bola e, antes que o zagueiro chegasse, tocou de bico para o Pelé.

Carlos Alberto continua a contar o lance do gol.

- Aí, não tive dúvida. Parti para o ataque, por que sabia que o
'crioulo' ia me dar o passe, já que a gente cansou de fazer essa jogada no Santos. Não deu outra. Ele rolou e foi só chutar. Como eu estava na corrida, não precisei ajeitar o corpo, por isso o chute saiu tão forte. Eu não chutava forte daquele jeito! - recorda.

A final contra a Itália é inesquecível para Carlos Alberto. Mas o jogo-chave da campanha do Brasil no México, segundo o lateral, foi o da vitória de 1 a 0 sobre a Inglaterra, ainda nas oitavas-de-final.

- Esse foi o jogo da Copa. A Inglaterra tinha um timaço, lutava pelo bicampeonato mundial. A gente sabia que quem vencesse chegaria à final da Copa - diz.

O jogo-chave contra a Inglaterra reserva outra história que Carlos Alberto explica 34 anos depois como aconteceu exatamente - a entrada violenta que deu no ponta inglês Francês Lee.

- O Lee já tinha dado uma cacetada no Marco Antônio. Depois, deu um chute no rosto do Félix, que estava caído. Aí, gritei para o Pelé, que sabia bater sem o juiz ver, que alguém tinha de dar uma no cara. O Pelé, respondeu. "Deixa que eu vou pegar ele". Só que no primeiro lance, a bola sobrou dividida entre mim e o Lee, e não tive escolha. Só que, ao contrário do Pelé, eu não sabia bater e quase fui expulso - conta.

Na Copa do Mundo de 1970, da qual saiu apontado como o melhor lateral-direito do mundo, Carlos Alberto conseguiu superar a frustração de ter sido cortado quatro anos antes, às vésperas do embarque para o Mundial da Inglaterra.

- Na época fiquei arrasado, porque sabia que tinha condições de ser o titular. Mas a alegria que tive em 70 apagou tudo - afirma Carlos Alberto, que começou a jogar no Fluminense, se consagrou no Santos, passou por Botafogo e Flamengo e encerrou a carreira no Cosmos, de Nova Iorque, em 1982.

Ficha dos jogos:
BRASIL 1 X 0 INGLATERRA

Data: 7 de junho de 1970
Competição: Copa do Mundo de 1970
Local: Estádio Jalisco, em Guadalajara (México).
Público: 66.000 pagantes
Árbiro: Abraham Klein (Israel)
Gol: Jairzinho aos 59’

BRASIL: Félix, Carlos Alberto Torres, Brito, Piazza, Everaldo, Clodoaldo, Rivellino, Paulo César Lima, Jairzinho, Tostão (Roberto Miranda) e Pelé.
Técnico: Zagallo.
INGLATERRA: Gordon Banks, Wright, Labone, Bobby Moore e Terence Cooper, Mullery, Bobby Charlton (Astle), Francis Lee, Alan Ball, Hurst, Martin Peters.
Técnico: Alfred Ramsey.

BRASIL 4 X 1 ITÁLIA

Data: 21 de junho de 1970
Competição: Copa do Mundo de 1970
Local: Estádio Azteca, na Cidade do México.
Público: 107.000 pagantes
Árbitro: Rudi Glöcker (Alemanha Ocidental)
Gols: Pelé 17’. Roberto Bonisegna 37’, Gérson 65’, Jairzinho 71’, e Carlos Alberto Torres 88’

BRASIL: Félix, Carlos Alberto Torres, Brito, Piazza, Everaldo, Clodoaldo, Gérson, Rivellino, Jairzinho, Tostão, Pelé.
Técnico: Zagallo
ITÁLIA: Enrico Albertosi, Burgnich, Cera, Rosatto, Facchetti, Bertini (Juliano), De Sisti, Mazzola, Domenghini, Bonisegna (Rivera), Gigi Riva.
Técnico: Ferruccio Valcareggi.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 05 de Dezembro de 2016
13:15
Cassilândia
09:00
Maternidade
Domingo, 04 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)