Cassilândia, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

08/03/2007 09:25

A crônica do Corino: Transa cowboy

Corino Rodrigues de Alvarenga
Cassilândia NewsCassilândia News

Uma amiga me contou que a pior transa é a cowboy. Estávamos conversando ontem, entre uma cervejinha e outra, e ela saiu com essa. Larissa é assim mesmo: extravagante, surpreendente, sui generis.
Aliás, para dizer logo a verdade de pronto, ela não gosta de música sertaneja, prefere Cazuza e Caetano, e adora tirar onda com os caipiras como este cronista. Eu não tenho culpa de ter nascido caipira, de gostar de moda de viola e de ser amante do catiretê, ou tenho culpa de ter nascido assim?
Mas a desbocada saiu com essa. E me custa contar logo de imediato o que a moça teve a ousadia de dizer. Tenho cá os meus princípios e não iria emporcalhar o meu trabalho com uma picardia – ou seria uma promiscuidade? – dessas.
Mas, ela baseada na brutalidade do mundo dos rodeios e na passividade das mulheres diante de tamanho machismo, resolveu abrir o jogo e dizer o que é mesmo a transa cowboy.
Mas, antes de falar sobre a tal transa cowboy, eu quero abordar a importância do mundo dos rodeios na vida dos povos sertanejos de minha terra, o Mato Grosso do Sul, de Goiás, de Minas, do Paraná, de Santa Catarina, de São Paulo, e de vários Estados brasileiros.
O mundo das montarias é fascinante. Além de belíssimo espetáculo, ainda que desagrade às entidades defensoras dos direitos dos animais, o rodeio mexe com a economia dos municípios, empolga jovens com talento para montar em touros e cavalos e faz do caipira da roça um cidadão “chique no urtimo”. É a redenção do tabaréu. É a sua vitrine. Com as bênçãos de nossa Senhora Aparecida.
Tudo bem, tudo bem. Você está curioso para saber como funciona a transa cowboy? Tudo bem, tudo bem. Eu vou contar. Só não sei se será censurada. Talvez o horário não seja próprio. Talvez o patrocinador não aceite esse tipo de coisa. Mas, se até em novela das sete, há promiscuidade, por que não posso contar aqui uma coisa dessa?
Então lá vai. E segura aí firme, peão!
A transa cowboy, segundo me contou a amiga Larissa, funciona assim: o sujeito está com a mulher na cama, numa montaria perfeita, segura em seus cabelos - como se fosse um cowboy no brete, agarrando a rédea e esperando a hora de viajar na arena -, dá um tapa bem firme, trabalha a espora e grita em alto e bom som o nome de outra mulher.
Quer saber o resultado?
Se o cara for cowboy mesmo, ele agüenta o tranco e fica oito segundos em cima dela.

Corino Rodrigues de Alvarenga
Contato com o colunista:
corino_leia@hotmail.com

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)