Cassilândia, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

30/11/2006 05:05

A crônica do Corino - Pataxó, a vitíma

Pataxó, a vítima



Em 20 de abril de 1997, Dia do Índio, alguns rapazes de "boa família" de Brasília assassinaram o índio Pataxó Galdino Jesus dos Santos enquanto ele dormia. ("Foi brincadeira", alegaram os assassinos.) Um destaque para a covardia dos assassinos pertencentes a "boas famílias": o índio dormia quando foi queimado.
A “brincadeirinha” de mau gosto dos filhos de papais ricos de Brasília que mataram, no dia 20 de abril de 1997, o índio pataxó Galdino Jesus dos Santos, bem no Dia do Índio, enquanto este dormia num banco de praça, acabou em estranha punição para o cirurgião-dentista Bruno Minervino, filho do presidente do Tribunal de Justiça do Distrito Federal, Edmundo Minervino: um cargo público com salário de R$ 6.600,00.
Veja nota que saiu na Imprensa, inclusive no Correio Braziliense, sobre o assunto.

“O filho do presidente do Tribunal de Justiça do Distrito Federal - TJDF fez concurso para segurança desse mesmo tribunal. Eram doze as vagas e o filho do juiz-presidente obteve o sexagésimo quinto lugar. As vagas disponíveis foram aumentadas para 70 e o filho do presidente foi nomeado para integrar os quadros de vigilância do TJDF.
Doze dias depois de nomeado segurança, o filho do juiz-presidente foi promovido e nomeado dentista, agora com o salário de R$ 6.600,00. Tudo dentro da lei, é claro.
Os fatos existiram: o assassinato, a tentativa de não punir os assassinos, o nepotismo (apenas um caso a mais). Os assassinos do índio Pataxó são parentes de gente do judiciário em Brasília. O dentista é filho do presidente do Tribunal de Justiça do Distrito Federal - TJDF.
Houve troca de nomes e de situações o que provocou o surgimento dessa mensagem que circula desde dezembro de 2001.
Tudo é bem explicado no jornal Novo Milênio em ‘Minervino me enerva’. Diz o Novo Milênio: a mãe do índio Galdino é Minervina de Jesus. O ex-segurança e dentista nomeado é Bruno Minervino, filho de Edmundo Minervino, presidente do TJDF. Confusão de nomes e de situações: o nome da mãe do índio assassinado, Minervina, transformou-se em Minervino, sobrenome dos envolvidos em mais este caso de nepotismo.
Verdade: o doutor Bruno Minervino, segurança durante doze dias do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e atualmente dentista desse mesmo tribunal, não teve nenhum envolvimento com o assassinato do índio Galdino.
A repulsa, a indignação do cidadão e do contribuinte é o que existe em comum entre os dois casos - o assassinato e o nepotismo.”
Depois deste texto que vem de Brasília, o que dá para perceber, claramente, é o quanto ainda é arcaico o nosso ordenamento jurídico, o quanto a lei é branda na hora de punir o chamado cidadão acima de qualquer suspeita. E cidadão acima de qualquer suspeita, no Brasil, é aquele que tem generosa conta bancária ou é filho de quem a tem. Mas não é este o País de que precisamos. Não estamos em busca, afinal, de um País que tenha forma de Nação civilizada, em que direitos e deveres sejam devidamente respeitados, em que o Estado de Direito seja o princípio, o meio e o fim das nossas simpáticas convenções sociais?
Este fato aconteceu em 1997 e até hoje não se vê nenhum sinal de inquietação – verbal, é evidente; só falácia e textos redigidos em jornais, sem a devida indignação capaz de contagiar milhões e milhões de brasileiros - diante de toda uma barbárie cometida contra um brasileiro indígena justamente no Dia do Índio.
Perdoem-me o Bruno e o seu papai juiz, mas um fato desta natureza não pode ficar no esquecimento.
Eu juro, amigo leitor: o dia em que eu perder a minha capacidade de me indignar diante disto, paro de escrever, paro de pensar, paro de existir, enfio a cabeça no buraco como uma avestruz e peço demissão da raça brasileira para sempre.
Nós não precisamos de perdão nem de perdoar. Nós precisamos de mais Justiça. A pessoa séria e responsável não precisa de ser tratada com bondade nem com generosidade, mas com a sua cota de Justiça. Nós, afinal, não precisamos de ser bons. Precisamos, isso sim, de ser justos.
E precisamos de leis melhores.
Em tempo: precisamos de brasileiros melhores e, mormente, de um Brasil melhor.
Axé, dona Minervina! Oxalá que a Justiça, nem que seja daqui a um século ou a dez séculos, se apresente e faça valer as sábias palavras da obra machadiniana: “Ao vencedor, as batatas.”

Corino Rodrigues de Alvarenga
Contato com o colunista:
Corino_leia@hotmail.com

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 18 de Dezembro de 2017
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)