Cassilândia, Segunda-feira, 23 de Outubro de 2017

Últimas Notícias

12/02/2007 07:04

A crônica do Corino - João Hélio

Corino Rodrigues de Alvarenga
Cassilândia NewsCassilândia News

O crime hediondo praticado por cinco marginais contra o garotinho João Hélio Fernandes Vieites, de seis anos, arrastado por sete quilômetros por vários bairros cariocas, na semana passada, não é caso único de extrema violência e encontra paralelo em Jacobina com um caso que criou igual comoção por aqui: a morte do balconista Diego, assassinado brutalmente na madrugada do dia primeiro de janeiro passado quando o natural é o sentimento de paz que marca todo e qualquer revellion.
A ligação que há entre os dois casos é o da comoção pelo incomum das duas situações: não chega a ser rotina bandidos saírem por aí arrastando uma pobre criança por vários quilômetros, deixando o seu corpo totalmente dilacerado, assim como não é comum, em pleno revellion, quando as pessoas estão estourando champagne para dar boas-vindas ao ano novo, alguém ser morto por causa de um mísero telefone celular.
Eu gostaria muito de acreditar que a comoção nacional que se verifica em função da morte do menino João Hélio seja o início de uma luta da sociedade organizada por mudanças no Código Penal Brasileiro, um ordenamento jurídico que beneficia apenas os advogados portas de cadeia e as autoridades policiais corruptas que vivem de vender a soltura dos mais diferentes criminosos e picaretas.
Eu gostaria muito de acreditar nisso.
Mas como acreditar se o brasileiro tem memória curta e vai esquecer de cobrar isso depois e se não interessa aos parlamentares insensíveis do nosso pouco querido Congresso Nacional fazer qualquer alteração na legislação vigente?
É um círculo vicioso que vem de há séculos. Cinco séculos, para ser mais preciso.
Os problemas sociais brasileiros começam no lar, em que as famílias, em sua grande parte, são desestruturadas; passam pela escola, em que não há investimentos consistentes no ser humano e nos valores morais e éticos; e terminam nos presídios, onde o sistema correcional dá lugar à escola do crime.
Os assassinos do menino João Hélio praticaram esse crime hediondo porque apostam, e apostam alto, na impunidade, porque sabem que, neste País, ladrão que tem bom advogado não vai para a cadeia, que os políticos saqueiam o dinheiro do contribuinte e nada acontece, porque sabem que a própria sociedade só se comove na hora do holocausto e que irá absolvê-los depois, assim como absolve os corruptos, com folha corrida e com condenações claras e irrefutáveis, ao votar neles de novo, assinando uma procuração em branco.
Há vários anos um menino de oito anos, o Yves Ota, foi assassinado brutalmente, em São Paulo, por um policial militar, houve comoção igual, os seus pais criaram uma associação para exigir mudanças na legislação, etc, etc, etc... e os políticos o que fizeram? Não fizeram nada. Nada mudou. Tudo continua como sempre esteve.
Este é um País onde, infelizmente, predomina o crime e não a punição, predomina o criminoso e não a vítima, predomina o ridículo e não o bom-senso, predomina a desfaçatez e não a seriedade.
Daqui a alguns dias não se ouvirá falar mais tanto da morte do pequeno João Hélio. Daqui a alguns meses não se ouvirá mais ninguém demonstrar sua indignação diante daquela cena dantesca em que o seu pequeno corpo foi dilacerado pelo asfalto das ruas dos bairros cariocas.
Daqui a algum tempo, não se sabe qual, os criminosos estarão certamente nas ruas cometendo outros delitos, e nós, como verdadeiros imbecis, estaremos aqui, na rotina, tocando a nossa vidinha, taciturnos e imóveis, diante da preguiça, da má intenção, da conivência e da irresponsabilidade de boa parte das autoridades deste País.
A comoção, a dor e o sentimento de abandono só estarão presentes na vida, por todo o sempre, dos pais e da irmã do menino João Hélio.
Nós, no fundo, não estamos nem aí.
Só a família da vítima é que carrega esse fardo.
Este é um legado que o Estado brasileiro lhes oferece ao negligenciar também numa área vital que é a segurança dos cidadãos.
E cada um de nós, na condição de brasileiro, tem culpa no cartório.
Outros crimes hediondos estão ocorrendo neste momento – sem tanta divulgação pela mídia, é verdade – e nós ficamos aqui, com cara de imbecis, dizendo apenas:
- Puxa vida! Caraca! Isso voltou a acontecer? Nossa Senhora, por quê?!
A nossa indignação precisa ser transformada em atitude para que possamos exigir dos políticos nos quais votamos o cumprimento de um mandato que venha a honrar o salário que recebem religiosamente – e isso se estende também a todas as autoridades constituídas que oferecem um padrão de serviço bem abaixo do ideal.
Indignação sem atitude não passa de hipocrisia.

Corino Rodrigues de Alvarenga
Contato com o colunista:
corino_leia@hotmail.com

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 22 de Outubro de 2017
Sábado, 21 de Outubro de 2017
10:00
Receita do dia
Sexta, 20 de Outubro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)