Cassilândia, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

03/04/2007 07:35

A crônica do Corino - Gran Hermano

Corino Rodrigues de Alvarenga
Cassilândia NewsCassilândia News

O programa Big Brother Brasil, que termina na noite desta terça-feira, vai brindar com R$ 1 milhão Diego “Alemão”, muito mais pelas fantasias sexuais criadas através do triângulo amoroso com duas “irmãs” – Íris e Fani – do que pela sua aparente honestidade.
O galego conseguiu encaixar bem o estereótipo de homem promíscuo que, lá no fundo, está vivo no inconsciente machista do brasileiro. É o tal do machão que tem direito a duas loiras muito parecidas com aquelas que aparecem nos comerciais de cerveja explorando a figura da mulher como objeto sexual, de desejo consumista, de simples coadjuvante dentro de uma sociedade brasileira mercantil, hipócrita e paupérrima no que diz respeito à cultura.
O intercâmbio com o similar argentino, o Gran Hermano, que vai ao ar pela Telecinco (a Globo de lá), deixou claro uma diferença marcante entre as duas culturas.
Big Brother, para os argentinos, não passa de Gran Hermano. E sabe por quê? Porque os argentinos valorizam o seu idioma, a cultura castelhana, o seu jeito de ser e viver. Mesmo quando importam essas idéias obsoletas que tanto agradam às massas criadas pelo John de Mol, lá da fria Holanda, eles se mantêm fiéis à sua língua.
No Brasil, não. Aqui o negócio é americanizar. Vaqueiro vira cowboy, centro de compras vira shopping center e grande irmão, claro, vira big brother.
Onde fica a Língua Portuguesa? Onde fica a cultura brasileira, que, por sinal, se valorizada, nos remeteria a um lugar de destaque no mundo?
Acha que eu estou exagerando? Tudo bem, tudo bem. Vá aos Estados Unidos e veja quantas ruas ou praças existem por lá com nomes de brasileiros ou à brasileira. Você consegue imaginar quantas?
Já aqui, não. Aqui o buraco é mais embaixo. Ou mais em cima. É praça Presidente Kenneddy, é avenida Presidente Roosevelt.
Qual o benefício que Theodore Roosevelt ofereceu ao Brasil e ao mundo? O maior, com certeza, foi ter autorizado a jogar bombas atômicas em Nagasaki e Hiroshima, matando milhares de japoneses e deixando outros milhares que até hoje convivem com sérios problemas de saúde provocados pela perversa e irracional irradiação atômica.
Mas, para os brasileiros, Roosevelt é o cara. Não se assuste se você ver um dia alguma praça com o nome de George Bush. Os 60 mil iraquianos que se lasquem! Somos, afinal, entreguistas por natureza. E por conveniência.
Somos convenientes, sim, senhor. Bastam alguns milhões de verdinhas para ajudar no fechamento das contas públicas brasileiras, que tudo, tudinho mesmo, muda.
É por isso que países latinos como a Argentina e o Chile crescem muito mais do que o Brasil. Porque lá, amigo, não existe Big Brother. Existe, sim, o Gran Hermano.
E é por isso também que eles adoram nos chamar de “macaquitos”.
Essa observação parece não ter importância, mas tem, sim, senhor. É nos detalhes, nos pequenos detalhes, que estamos perdendo, a cada dia, a nossa autonomia como nação.
Há regiões brasileiras, como a Amazônia, que são controladas pelos norte-americanos, nas quais os brasileiros só entram se pedir permissão a Tio Sam.
E não se engane: a nossa falta de amor à pátria aumenta diariamente, com impressionante velocidade.
Os últimos governos, o social-democrata de Fernando Henrique Cardoso, e o pseudo-socialista de Luiz Ignácio Lula da Silva, que sempre pregaram a soberania nacional, são responsáveis pela maior política entreguista da nossa história.
Nós, hoje, não mandamos no ar, na superfície, no mar e até no subsolo. O ouro, por exemplo, que é representado pela cor amarela da nossa Bandeira, pertence hoje, através das chamadas titulações geológicas, aos gringos norte-americanos, canadenses, indianos etc.
Enquanto os nossos governantes entregam o País, os nossos grandes irmãos assistem ao Big Brother. Obedientes como cordeiros. Como bons cordeiros. E sempre esperando pelo próximo paredão.

Corino Rodrigues de Alvarenga
Contato com o colunista:
corinorodrigues@hotmail.com

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)