Cassilândia, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

01/11/2006 06:04

A crônica do Corino - Discursos

Corino Rodrigues Alvarenga
Cassilândia NewsCassilândia News

Discursos

Certa vez alguém disse que todo discurso de posse do prefeito, do governador ou do presidente da República deveria ser feito um ano depois. Eu concordo em gênero, número e grau com esta frase. Já imaginou se ele fosse fazer aquelas mesmas promessas um ano depois?
- Eu prometo construir em seis meses o Hospital Regional de Cassilândia e...
- Mentira, doutor! – gritariam os moradores já cansados de ouvir a mesma promessa.
- Mas eu prometo construir uma ponte que irá ligar a nossa cidade ao vizinho Estado de Goiás e...
- Está louco, doutor? – interrompe alguém da platéia. - A ponte já existe. E é boa demais da conta.
- Então eu vou construir outra, mais nova, mais bela, mais robusta, mais...
- Vai te catar, doutor! – grita um skatista. – Tô comendo isso... Tô comendo...
Dizem que uma vez, no Chapadão do Sul, um deputado paraquedista, desses candidatos copas do mundo que aparecem de quatro em quatro anos doidos para levantar a taça e ir para a galera, estava discursando. Lá pelo meio do cansativo discurso, teria dito:
- Povo do Chapadão do Céu...
- Doutor, aqui não é Chapadão do Céu, não; Chapadão do Céu fica lá em Goiás, e, pelo que a gente saiba, estamos em Mato Grosso do Sul. Aqui é o Chapadão do Sul, com muito orgulho. Chapadão do Sul, ouviu, doutor?
- Sim, sim. Eu confundi. É que eu tenho fazenda de soja aqui e tenho lá, então confundi, porque está tudo verde, tudo cheio de soja. Perdão, perdão. Como ia dizendo... vou construir aqui no Chapadão do Sul uma enorme ponte para melhorar o tráfego de veículos no acesso à sede do município e...
- Doutor, desculpa de novo, mas não há rio nem córrego aqui perto da sede. Então fica difícil construir a ponte...
- Não importa. Se aqui não tem rio e não tem córrego, assim mesmo eu faço a ponte e pronto!
- Mas como, doutor, se não tem córrego e nem rio? – era um agricultor de ouvido colado na demagogia toda do político.
- O nosso governo é porreta, gauchada! Eu vou construir o rio e vou construir o córrego!
É claro que ninguém bateu palmas. O deputado saiu de lá, segundo diz o povo, sob vaias.
Todo discurso deveria ser feito um ano depois da posse. E o presidente Fernandinho, que, antes mesmo de tomar posse, havia prometido nunca mexer na poupança nem no over night?
- A poupança está segura. Ninguém irá mexer na poupança, minha gente...
- Só se for a poupança do senhor, presidente! - exclama a platéia toda que teve o seu dinheiro bloqueado, num cerceamento criminoso e inconstitucional - Pode ser que ninguém mexe na poupança do querido presidente, digo, na região glútea, nas nádegas, na bunda presidencial... a não ser a primeira-dama na hora do bem-bom, na cama, entre quatro paredes... talvez, talvez.
Dizem que os discursos de Collor eram escritos por Sebastião Nery, jornalista, ex-deputado carioca e autor do livro Folclore Político, e pela brilhante jornalista Beliza Ribeiro.
Eram discursos lindos, atualizadíssimos, globalizados e, sobretudo, ilusórios e falsos pra chuchu. Fernandinho levou todo mundo na conversa. Agora, imagine você, se fosse feitos um ano depois da posse... ai, ai. Quem iria acreditar naquilo tudo?
E se o presidente-tampão Itamar, da dupla Itamar & Itapior, dissesse em seu discurso de posse?
- Povo brasileiro, vou trazer o fusca de novo. Vai todo mundo andar de fusca a partir de agora...
- O senhor ficou maluco, doutor Itamar? – berra um bebum depois de tomar umas oito cangibrinas. – Já não chega os Ladas do Collor, homem de Deus? Tudo, tudo o povo agüenta, doutor Itamar! Menos o fusca. Fusca, não, doutor!
Como o assunto é palpitante, vou terminar este conto com um belo discurso, para fechar com chave de ouro:
- Querido e nobre leitor, é com a voz embargada e tomado de emoção, que prometo escrever bem todos os dias, nunca cometer erros gramaticais nestas crônicas e, sobretudo, amado leitor, eu prometo não encher o seu saco com assuntos chatos... bem....
Pensando melhor, não seria melhor fazer esse discurso um ano depois?

Corino Rodrigues de Alvarenga
Contato com o colunista:
corinorodrigues@hotmail.com

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 10 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)