Cassilândia, Domingo, 26 de Março de 2017

Últimas Notícias

04/11/2006 06:08

A crônica do Corino - Crônica e notícia

Corino Rodrigues Alvarenga
Cassilândia NewsCassilândia News

Crônica e notícia


Eu escrevo crônicas há 22 anos e a primeira a ser publicada foi “Cada marido”, no Cassilândia Jornal, no ano de 1984. A crônica é uma forma de você escrever, de forma livre, jovial e bem-humorada, a chamada antinotícia, isto é, o fato corriqueiro ou não que acabou passando despercebido.
Na definição do brilhante Fernando Sabino, “a mistura entre jornalismo e literatura leva o cronista a um freqüente impasse: para se constituir como texto artístico, o seu comentário sobre o cotidiano precisa apresentar uma linguagem que transcenda a da mera informação. Ou seja, precisa de uma linguagem menos denotativa e mais pessoal. Isso não significa elaboração muito sofisticada ou pretensiosa. Significa que o estilo deve dar a impressão de naturalidade e a língua escrita aproximar-se da fala.
Em outras palavras, crônica funciona como uma possibilidade de o escritor oferecer ao leitor, sobretudo dos jornais e revistas, uma xícara de literatura no café da manhã, um pequeno tira-gosto na hora do almoço e um passatempo a qualquer hora.”
Já a notícia propriamente dita tem outra característica: a informação. E começa pelo “lead”, em que o jornalista, em pouco espaço e já no primeiro parágrafo, tem que responder às seis perguntas-base do Jornalismo: o quê, quem, onde, quando, como e por quê.
Segundo Pedro Celso Campos, “a notícia usada como informação, no jornalismo, tem duas partes muito claras: Entrada e Corpo. A entrada, ou lead, informa resumidamente o que aconteceu, com técnicas que visam ‘prender’ a atenção do leitor para conduzi-lo ao corpo da matéria, onde o fato será explicado com mais detalhes e contextualização.
Na pressa do fechamento ou para simplificar o trabalho mesmo, a maioria dos jornalistas começam a matéria na ordem direta (‘O Presidente da República disse ontem, em Belo Horizonte, que o Governador Itamar Franco está blefando. O motivo do comentário foi a anunciada intenção do governador mineiro de mandar a Polícia Militar Mineira ocupar a Usina de Furnas se o Governo Federal insistir na idéia de privatizar a empresa’).”
E Pedro Celso Campos conclui: “Com um pouco mais de tempo e criatividade, o repórter pode abrir a matéria de forma menos simplista, talvez com uma declaração interessante do Presidente (‘Se ele ocupar nós vamos desocupar’, disse ontem o presidente, em Belo Horizonte, referindo-se...’), com algum dado que reflita a briga dos dois (‘Preocupado com a ameaça do governador Itamar Franco de ocupar a estatal Centrais Elétricas de Furnas se a empresa for privatizada, o Presidente da República disse ontem em Belo Horizonte...’), ou com outra forma indireta (‘Se depender do Presidente da República, o governador Itamar Franco já pode mandar a PM mineira ocupar Furnas porque o processo de privatização das estatais não vai parar. Foi o que deixou claro, ontem, em Belo Horizonte, o presidente FHC ao comentar...’)”
Sob a ótica de que estou escrevendo para agradar e cativar leitores, penso que o cronista tem que contar primeiro com a piedade do leitor. Alguém que se debruça no computador ou na máquina de escrever e se dedica a escrever a esmo, só pode ser mesmo uma pessoa digna de pena.
De elogios, não. Não são raros, é verdade. Mas quase sempre vem sem o peso da devida análise – uns ocorrem só para agradar, por pura gentileza. As críticas, por mais duras que sejam, são fundamentais. Eu digo mais: as críticas são o grande alicerce para a obra que o cronista empreende através das palavras. As palavras são os tijolos e as telhas deste pedreiro.
Aliás, aprende-se um pouco a cada dia e o cronista, crítico, sempre pensa que nada sabe. Se Sócrates já o dizia, imagine eu então.
A minha diferença do pedreiro que empreende a sua obra é evidente: o mau pedreiro é chamado de meia-colher. O mau cronista pode ser tachado de meia-boca.
Mas cá estou eu: escrevendo, erguendo tijolos, escolhendo palavras, assentando telhas. Na base do meia-colher. Na base do meia-boca. Mas escrevendo, escrevendo, escrevendo...

Corino Rodrigues de Alvarenga
Contato com o colunista:
corinorodrigues@hotmail.com

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 26 de Março de 2017
Sábado, 25 de Março de 2017
21:10
Cassilândia
15:01
Curiosidade
10:00
Receita do dia
06:20
Loterias
06:18
Loterias
Sexta, 24 de Março de 2017
23:20
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)