Cassilândia, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

20/12/2006 07:12

A crônica do Corino - Crônica de fim de noite

Corino Rodrigues de Alvarenga
Cassilândia NewsCassilândia News

Crônica de fim de noite (COM CORREÇÕES)

A amiga noite é comunista. Ela é igual para todos, num bem-comum sem igual. A noite existe para o branco, para o afrodescendente, para o pobre, para o rico, para o católico, para o evangélico, para o budista, para o protestante, para o agnóstico, para o sincretista, para o sem-nada, sem distinção.
Ela, escura como ela só, é vermelha. É vermelha no porre, na vermelhidão das bochechas da gorda mulher que sorri freneticamente, bêbada, incontrolável, vulgar.
A noite não tem o rubro-negro do Flamengo nem do Vitória da Bahia. A noite é corintiana, é palmeirense, é são-paulina, é vascaína, é botafoguense, é santista, é atleticana, é brasileira.
A noite é poesia quando há poeta por perto. E é brega quando há um apedeuta sem discurso nem idéia.
A noite é capitalista. A noite está à venda na tabela das meretrizes, dos advogados donos das chaves da cadeia, dos delegados (poucos, né, doutor!?) desafortunados de moral, dos delegados (muitos, né, doutor!?) afortunados de moral, nos habeas corpus recém-assinados, no vaivém das moças virgens à procura do primeira noite de amor, no canto da cigarra muda, na capitania dos portos que não saem da pasmaceira de sempre, no controlador de vôos , na ratoeira que nunca mata os ratos, na polícia que só olha o crime e não prende os criminosos.
A noite é brega. Na voz de Chico, Caetano, Djavan, Milton, João, o Gilberto, Elis, Cazuza ou Sinatra, a noite é chique no conceito inicial, mas brega é brega no conceito-conceito de que tudo termina na mesma porcaria: falar de amor, de vida, de gente.
A noite é chique. Na voz do semi-analfabeto que fala do “chique no úrtimo”, do “nóis é jeca, mas nóis é jóia”, do “cem por cento caipira”, em que o conceito inicial faz da noite uma noite chique, mas chique no conceito-conceito em que tudo termina na mesma porcaria: falar de amor, de vida, de gente.
A noite é também conspiração. É na noite, enquanto o povo dorme, que os políticos tramam os grandes crimes: falcatruas fiscais, roubalheiras na construção de obras públicas, superfaturamentos na compra de insumos e produtos inúteis e fétidos, desfaçatez e promiscuidade sem controle, marmeladas e marmeleiros em nome do enriquecimento ilícito e até – pasmem! - inocência juridicamente comprovada.
A noite começa numa dose de uísque falsificado e termina em falsificações profissionais sigilosas e convenientes aos homens que fazem do delito a sua ferramenta noturna de trabalho.
A noite é um osso duro de roer recusado e ignorado pelo mais faminto dos cães sarnentos que vivem a perambular pelas ruas escuras.
A noite é um sal sem mar.
A noite é um açúcar sem fruta.
A noite é o caminhar fugaz das raparigas.
A noite é o berço dos morcegos à procura de sangue.
A noite é a pena de quem não sente pena. Nem remorso.
A noite é o cheiro da pólvora.
A noite é a ponta da faca que faz o sangue descer.
Agora... a noite pode ser ainda pior, porque a pior das noites é a noite de sábado. Nela acontece o pior. A noite de sábado só vira a madrugada do domingo quando acontecem as grandes tragédias. É o filho do vizinho que morre de overdose, é o cego que começa a enxergar a morte, é a morte que chega àquela velhinha do sétimo andar, é a adrenalina do êxtase na boate mais concorrida do bairro escuro com luzes de neon na fachada vulgar, é o crime anunciado pelo mafioso que vende a droga, é a agonia do filho da mãe que chegou no lotação, hiperlotado como sempre, depois de mais uma noite na universidade para um dia ser o tão consagrado doutor que irá valorizar ainda mais o sobrenome da nobre família paulistana de quatrocentos anos.
A noite é uma fuga de elefantes que flutuam pelo ar à procura de oxigênio.
A noite é o refúgio dos cronistas sem assunto.
A noite é como o papel: aceita tudo.
Sem pudor. Sem culpa. Sem trauma. Sem vergonha.

Corino Rodrigues de Alvarenga
Contato com o colunista:
corino_leia@hotmail.com

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 07 de Dezembro de 2016
09:00
Maternidade
03:14
Loteria
Terça, 06 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
09:00
Maternidade
Segunda, 05 de Dezembro de 2016
21:32
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)