Cassilândia, Domingo, 10 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

30/11/2004 16:19

A Aids se espalha pelo país

Agência Notisa

Doença que parecia restrita a pessoas de alta escolaridade hoje afeta principalmente quem pouco freqüentou a escola.

Enquanto na década de 1980 a Aids parecia restrita a pessoas de alta escolaridade, hoje a doença atinge principalmente quem pouco freqüentou a escola. É o que comprova pesquisa realizada por Maria Goretti Pereira Fonseca, da Coordenação Nacional de Doenças Sexualmente Transmissíveis e Aids, do Ministério da Saúde. O estudo mostra que, ao longo dos anos 1990, a Aids se espalhou entre pessoas com oito anos ou menos de estudo, sobretudo do sexo feminino, residentes em pequenos municípios, que se contaminaram com o vírus HIV por meio de relações heterossexuais ou pelo uso de drogas injetáveis.

Ao analisar dados do Ministério da Saúde, os pesquisadores verificaram que, de 1989 a 1997, foram registrados cerca de 107 mil casos de Aids entre pessoas de 20 a 69 anos diagnosticadas com a doença pelo menos uma semana antes de falecer. “O número de casos registrados aumentou expressivamente entre 1989 e 1992, com uma aparente estabilização em torno de 17 mil casos novos por ano após 1995”, afirmam os pesquisadores em artigo publicado na Revista de Saúde Pública em dezembro de 2002.

A equipe de Fonseca constatou que, em 1989, havia seis homens com Aids para cada mulher doente. Em 1997, a proporção de casos femininos tinha aumentado: havia apenas dois homens com Aids para cada mulher com a doença. Além disso, em 1989, dos homens doentes cuja escolaridade era conhecida, metade tinha mais de oito anos de estudo. Mas o perfil dos pacientes do sexo masculino era outro em 1997, quase dez anos depois: 70% deles apresentavam oito anos ou menos de estudo. No caso das mulheres, 71% tinham baixa escolaridade já no primeiro ano analisado.

Quanto à distribuição dos casos de Aids pelo território brasileiro, a equipe de Fonseca comprovou que a epidemia da doença se encontra em estágio mais avançado na região sudeste, onde já em 1989 havia grande proporção de pacientes com baixa escolaridade. Nas outras regiões do país, onde a epidemia é mais recente, a proporção de doentes de baixa escolaridade só começou a aumentar na década de 1990. “A evolução da epidemia de Aids no Brasil afeta seletivamente uma população menos favorecida do ponto de vista socioeconômico com implicações importantes para as ações de prevenção e assistência”, dizem no artigo os pesquisadores, ressaltando a importância de se investir em educação para que as pessoas mais pobres aprendam a se prevenir contra doenças sexualmente transmissíveis.

Agência Notisa (jornalismo científico - science journalism)

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 10 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 09 de Dezembro de 2017
09:09
Cassilândia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)