Cassilândia, Segunda-feira, 20 de Novembro de 2017

Últimas Notícias

02/01/2008 13:58

51 municípios começam ano com ICMS menor

Dos 78 municípios de Mato Grosso do Sul, 51 deles começam 2008 com o índice de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) reduzido em relação ao ano de 2007. Os índices permanentes foram divulgados pelo governo em 21 de dezembro. O presidente da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul), Eraldo Jorge Leite (PR), lamentou o fato e avaliou como desanimador para a maioria dos prefeitos, embora tenha demonstrado otimismo para 2008, conforme sua assessoria de imprensa. O repasse do ICMS é uma das principais receitas dos pequenos municípios do Estado.

Paranhos, a 452 quilômetros de Campo Grande, é o município que mais perde, em termos percentuais, em 2008. A redução é de -27,75%. O município já tem um dos piores IDH-M (Índice de Desenvolvimento Humano Municipal) do Estado, ocupando, com o índice de 0,676, a 75ª posição. O índice vai de 0 a 1, e é tanto pior quanto mais longe for do 1.

O prefeito de Paranhos, Dirceu Bettoni (PSDB), disse que se comprovada a correção técnica na definição dos índices o município ficará com um “gostinho amargo”. Ele disse que considerando o índice provisório de 0,348 (que era superior ao permanente de 0,3135, divulgado em nove de julho), as perdas nominais foram calculadas em R$ 15 mil mensais.

Entretanto, conforme a Resolução/Sefaz (Secretaria Estadual de Fazenda) nº 2.104, de 20 de dezembro de 2007, a Prefeitura de Paranhos não entrou com recurso. Mas agora, o prefeito disse que vai consultar sua assessoria jurídica para recorrer.

Ele lembrou ainda que o ICMS, junto com o FPM (Fundo de Participação dos Municípios), é a principal receita municipal. O município tem uma população indígena de cerca de 4,7 mil pessoas (de um total de 10 mil) distribuída por cinco aldeias. Para o prefeito, é a razão do baixo IDH.

Dois Irmãos do Buriti é o segundo que mais perde. Será -23,38% no percentual do repasse do imposto em 2008.

Por outro lado, Nova Andradina e Anastácio acumulam os maiores ganhos percentuais em relação ao ano passado, com, respectivamente, 20,78% e 16,62%.

O presidente da Assomasul lembra ainda que os municípios sul-mato-grossenses, como a maioria em todo o país, continuam arcando com grandes despesas sem a devida contrapartida do governo central, que, segundo avalia, reluta editar uma política tributária que realmente tranqüilize ao poder público nas três esferas administrativas.

Quando o governo divulgou os índices provisórios de repasse, em nove de julho, Dourados estava na pior situação de todos os 78 municípios em termos de perdas nominais. A reclamação deu pano pra manga, envolvendo suposta acusação de que o governo do Estado não estaria utilizando critérios técnicos. O governador André Puccinelli (PMDB) chegou a interpelar judicialmente o prefeito de Dourados, Laerte Tetila (PT), e o deputado estadual Pedro Teruel (PT). Mas nos índices permanentes, ainda assim, Dourados terá redução percentual de 4,66% em 2008.

Das grandes cidades do Estado, apenas Campo Grande terá ganho percentual, com ampliação de 4,87% do índice. Corumbá (-2,13%), Três Lagoas (-0,25%) e Ponta Porã (-2,23%), todos perdem.

Robin Hood

Os critérios de distribuição do ICMS aos municípios foi razão de muita discussão na Assembléia Legislativa durante todo o ano de 2007. Em 2008, pode não ser diferente, já que o autor do projeto, o deputado estadual Júnior Mochi (PMDB), em acordo com os deputados, o retirou da pauta de votação e adiou a resolução do impasse para este ano.

O projeto, apelidado de Lei Robin Hood (não precisa dizer o porquê), redefine os critérios de distribuição da cota-parte dos municípios. O projeto gerou polêmica, sobretudo porque na redefinição dos critérios, recursos dos municípios com a maior participação teriam que ser partilhados com os que menos recebem. Os vereadores de Campo Grande se manifestaram contra a proposta alegando que a Capital perderia algo em torno de R$ 300 mil por mês. O valor é contestado por Mochi, que estima em no máximo R$ 200 mil, mas prevê, em contrapartida, que a Capital ganharia na mudança do critério Ecológico.

Pelo acordo, o projeto deverá ser votado até março de 2008. A despeito da polêmica, o autor contabilizava pelo menos 12 votos favoráveis à aprovação do projeto de lei complementar em segundo turno ainda em 2007, mas concordou com retirada.



Alcindo Rocha - Midiamax

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 20 de Novembro de 2017
Domingo, 19 de Novembro de 2017
11:00
Mundo Fitness
Sábado, 18 de Novembro de 2017
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)