Cassilândia, Segunda-feira, 21 de Maio de 2018

Últimas Notícias

22/11/2005 07:44

4ª Turma manda indenizar vítimas da "pílula de farinha"

Sheila Messerschmidt - STJ

Uma família que afirma ter sido vítima da falta do princípio ativo no anticoncepcional Microvlar, do laboratório Schering do Brasil Química e Farmacêutica, pretende obter, no Superior Tribunal de Justiça (STJ), a reforma de uma decisão de segunda instância que lhe negou o direito à assistência financeira por parte da empresa. O caso ocorreu em 1998 e ficou conhecido como "pílulas de farinha", que teriam sido fabricadas para o teste de uma máquina embaladora, mas acabaram chegando ao mercado para consumo.

O ministro Fernando Gonçalves, relator do recurso e presidente da Quarta Turma, levaria à sessão de hoje, 22, o seu posicionamento. Com o cancelamento das sessões, o julgamento deve ocorrer na próxima sessão, prevista para 1º de dezembro. Deverão se manifestar sobre a questão os demais integrantes do órgão: ministros Barros Monteiro, Cesar Asfor Rocha, Aldir Passarinho Junior e Jorge Scartezzini.

Moradores de São Paulo, o casal Célia Regina Bezerra e Marcelo Soares Bezerra casaram-se em 1993. Depois do nascimento do primeiro filho, em 1995, Célia passou a utilizar o medicamento Microvlar para evitar uma nova gravidez, por não ter condições econômicas nem de saúde.

Marcelo trabalhava, à época, em uma empresa que mantinha convênio com uma farmácia onde adquiriu o anticoncepcional mediante nota fiscal datada do período em que as "pílulas de farinha" foram comercializadas. Célia alega ter engravidado mesmo tendo tomado as 21 drágeas. A situação piorou para o casal quando, na metade da gravidez, Marcelo ficou desempregado, perdendo o benefício do plano de saúde de que dispunha. Célia afirmou sofrer de sérios problemas de saúde, configurando uma gravidez de risco. A criança acabou nascendo com problemas auditivos.

O casal ingressou com ação de indenização na 29ª Vara Cível do Foro Central de São Paulo quando Célia ainda estava grávida. Pediram, ainda, a antecipação de tutela, que é a concessão em caráter liminar do que se pretende pelo processo principal. Eles sustentavam que não dispunham de recursos financeiros para atender às despesas referentes à gravidez de Célia. Por isso, pediam que a Schering prestasse assistência integral à gestante, arcando com todas as despesas médico-hospitalares e referentes à alimentação, remédios e vestimentas, enquanto não proferida decisão final.

A liminar foi negada sob o argumento de que não haveria prova de a mãe ter ingerido o anticoncepcional, mesmo com a documentação oferecida. O casal recorreu à Oitava Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, que, por fim, também negou o pedido. Para os desembargadores, seria "inoportuno e pouco salutar" que se revisse a questão da antecipação de tutela.

A Procuradoria de Assistência Judiciária do Estado de São Paulo (Defensoria Pública) apresentou então recurso especial ao STJ, para que seja reformada a decisão e para que se ordene à Schering indenizar todas as despesas referentes à gravidez despendidas pelo casal e para prestar auxílio financeiro à mãe e à criança enquanto não transitar em julgado a ação de indenização.

Nesse ínterim, houve sentença de primeira instância, provendo em parte o pedido constante na antecipação de tutela, como, por exemplo, o pagamento do que for executado em assistência médica, hospitalar e com o uso de medicamentos, despesas com enxoval no valor de R$ 6.200 e outros 150 salários mínimos para cada progenitor.

Com isso, a Schering argumenta que o recurso especial não pode ser apreciado considerando que seu objeto estaria prejudicado por fato ocorrido após sua interposição (a sentença). No entanto a Defensoria alega que, no que diz respeito à indenização de alimentos, o recurso não estaria prejudicado.

O Ministério Público Federal deu parecer favorável ao pedido, concordando que houve violação do artigo 273 do Código de Processo Civil (CPC), já que o TJ/SP não poderia recusar-se a aplicar esta norma, mas dizer se houve acerto ou erro na decisão de primeira instância que negou a antecipação de tutela.


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 21 de Maio de 2018
Domingo, 20 de Maio de 2018
15:18
Cassilândia/Itajá
Sábado, 19 de Maio de 2018
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)