Cassilândia, Quarta-feira, 22 de Fevereiro de 2017

Últimas Notícias

17/11/2004 12:51

Preço da carne suína aumentou 53% este ano

Famasul Noticías

A carne suína será ao mesmo tempo a vedete e a vilã entre os produtos natalinos neste final de ano. Com perspectiva de aumento de 80% nos preços no atacado, o produto pode chegar mais caro ao consumidor, mas está fazendo a alegria dos suinocultores, que registraram neste ano incremento de até 53% na cotação. O preço do quilo/vivo ao produtor, que estava cotado em R$ 1,83 no mesmo período do ano passado, agora já atinge R$ 2,80 em praças fora de Mato Grosso do Sul. No Estado o preço médio pago pelo produto é de R$ 2,20, um acréscimo de 20% e pode chegar até R$ 2,40 com bonificação das indústrias.

A retomada nos preços foi motivada, segundo especialistas do setor, pelo aumento na demanda interna do produto. O consumo mais expressivo da carne, que atualmente nos supermercados varia de preços que vão de R$ 5 a R$ 8 (dependendo do corte), conseguiu diluir os efeitos nocivos da freada na exportação, com o embargo russo à carne suína brasileira. É que de produto cercado de preconceito no passado, o suíno produzido hoje com a maior qualidade e dentro de rigorosos controle sanitário e tecnologia de última geração, caiu nas graças do sul-matogrossense. Entre outros apelos dessa carne estão a redução no volume de gordura, maior suculência e preço bem mais atraente do que alguns cortes bovinos de primeira.

Mas o principal fator para esta recuperação da rentabilidade na suinocultura, segundo o gerente-geral da Cooasgo (Cooperativa Agropecuária São Gabriel do Oeste), Edemir Sanagiotto, foi a queda nos preços do milho, que representa 70% da formulação das rações de aves e suínos. “A saca de 60 quilos do grão, que no mesmo período do ano passado variava de R$ 19,50 a R$ 20, atualmente vale R$ 12,50 no mercado sul-matogrossense. Isso permitiu que houvesse um aumento na rentabilidade do suinocultor neste ano”, frisou.

Outro aspecto enfatizado por Sanagiotto é que a recuperação da atividade está ligada ao próprio mercado do agronegócio. “Após viver crises intensas nos últimos anos, a suinocultura estadual registrou grande fechamento de granjas no ano passado, principalmente na região sul do Estado, e quem permaneceu na atividade está conseguindo hoje melhorar a capitalização”, destacou.

O coordenador do Programa Leitão Vida da Secretaria de Produção, José Nascimento de Oliveira, também concorda que este ano foi bem mais positivo para a suinocultura. “Muita gente expandiu a produção em função da queda do milho, que na atual conjuntura permitiu o aumento da rentabilidade e ganhos do produtor”, lembrou.


Autor:
Correio do Estado

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 22 de Fevereiro de 2017
Terça, 21 de Fevereiro de 2017
10:00
Receita do dia
Segunda, 20 de Fevereiro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)