Cassilândia, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

09/09/2015 08:30

"Não podia fazer nada, só segurar na mão e fazer carinho", diz empresário

Correio do Estado
Não podia fazer nada, só segurar na mão e fazer carinho, diz empresário

“Sentimento é de impotência porque me vi lidando com a vida e a morte ao mesmo tempo. Não podia fazer nada, só segurar na mão e fazer um carinho na cabeça. Era uma pessoa que não conhecia, mas parecia ser da família”, contou o empresário Ivanildo Soares Sales, de 48 anos. Ele foi o primeiro a socorrer a médica Yuri Vanessa de Oliveira Tomonaga, de 31 anos, que morreu no último domingo (6), em capotamento na BR-060, em Paraíso das Águas.

O empresário foi o segundo a chegar no local do acidente, mas o primeiro a se aproximar da noiva, que voltava de Campo Grande, onde entregou convites para o casamento que aconteceria no mês que vem.

Ivanildo voltava do Mato Grosso e seguia para Dourados. Aquele era o quarto acidente que havia presenciado na viagem.

Ele contou que um casal que seguia na frente do carro da médica, sentido Camapuã/Paraíso das Águas, viu pelo retrovisor quando Yuri Vanessa perdeu o controle da direção e capotou o carro. O casal então retornou para o local e o empresário chegou em seguida. Impressionado com a situação, os dois não se aproximaram da médica, mas Ivanildo sim.

“O carro estava com as rodas para cima. Percebi que saía muita fumaça, mas me aproximei e vi que a bateria havia sido arremessada, que a fumaça era do óleo do veículo e não tinha risco de incêndio. Ela estava como cinto de segurança, presa e com a cabeça para baixo. Tentei falar com ela e ela reclamou que não estava conseguindo respirar. Sangrava pelo nariz, pela boca e estava se afogando com o sangue. Eu soltei o cinto e coloquei ela deitada para respirar melhor”, relembrou.

Além de reclamar da dificuldade em respirar, Yuri Vanessa se queixava de dor e pediu para que Ivanildo a soltasse, a puxasse. Momentos depois, passou a dizer palavras desconexas, em tom baixinho, que não podiam ser compreendidas pelo empresário. Aos poucos, perdeu a consciência.

“Percebi que ela não tinha mais movimento no corpo. Não mexia os pés, nem as mãos. A vontade era de colocar no carro e levar para o hospital, mas fiquei com medo da reação da família, de receber processo, então aguardei no local, orando pela vida dela”, relatou o empresário.

Ivanildo contou que pegou o celular da noiva para avisar a família, mas não conseguiu fazer ligação porque o aparelho estava bloqueado. Enquanto procurava o contato de algum parente da vítima, ele encontrou a carteira do Conselho Regional de Medicina (CRM) e foi então que descobriu que ela era médica.

Yuri morreu minutos depois do acidente, ocorrido no domingo, na BR-060 

ACIDENTE

Yuri Vanessa era médica e dava aula na Faculdade de Medicina em Rio Verde, Goiás. Ela era noiva de um engenheiro agrônomo que mora em Costa Rica.

A mulher voltava de Campo Grande, onde entregou convites do casamento a parentes e amigos. O casamento dela estava marcado para o dia 10 de outubro.

No caminho de volta para casa, a médica perdeu o controle da direção do veículo Renault Clio e capotou várias vezes. O carro parou às margens da rodovia e quem passava pela pista tentou ajudar a médica, que não resistiu aos ferimentos.

Matéria de autoria do jornal Correio do Estado

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)